Mercado fechará em 5 h 11 min
  • BOVESPA

    109.426,61
    +582,87 (+0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.646,85
    +89,20 (+0,18%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,87
    -0,42 (-0,60%)
     
  • OURO

    1.777,90
    +14,10 (+0,80%)
     
  • BTC-USD

    42.626,92
    -1.231,37 (-2,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.066,04
    +2,20 (+0,21%)
     
  • S&P500

    4.353,47
    -4,26 (-0,10%)
     
  • DOW JONES

    33.973,91
    +3,44 (+0,01%)
     
  • FTSE

    6.983,19
    +79,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.022,75
    +13,25 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2393
    -0,0054 (-0,09%)
     

Startup recebe R$ 16 milhões para buscar os melhores profissionais de tecnologia

·2 minuto de leitura

Após oito meses de operação, a Driven recebeu nesta segunda-feira (30) R$ 16 milhões em rodada Seed, liderada pela gestora de capital de risco Iporanga Ventures. A startup é uma escola profissionalizante com cursos intensivos de programação web, e seu objetivo é formar futuros líderes no setor de tecnologia.

A empresa, sediada no Rio de Janeiro, adotou um modelo de negócios chamado ISA (acordo de divisão de renda, da sigla em inglês). Funciona asssim: em vez do aluno pagar o curso normalmente todo mês, ele só reembolsa a Driven quando conseguir um emprego, mas oferecendo 17% do seu salário até chegar ao valor total da formação. O curso dura nove meses, com mensalidade de R$ 2 mil. Ao adotar esse modelo de negócios, a Driven diz apostar na qualidade de sua seleção de alunos para escolher os com maior potencial de ser aceito pelo mercado.

O aporte de R$ 16 milhões contou também com a participação dos fundos ONEVC, FundersClub e 3G Radar, além de investidores-anjo como Patrick Sigrist (iFood), Sergio Furio (Creditas) e Brian Requarth (VivaReal). Outros sócios e investidores da Driven são Arpex Capital (Stone), Daniel Castanho (Ânima Educação) e Pedro Thompson (Exame).

Imagem: Lana_M/Envato
Imagem: Lana_M/Envato

Os fundadores da startup, Paulo Monteiro, Michel Nigri e Pedro Barros, são os mesmos de outra edtech, a Responde Aí. Esta é uma plataforma de estudos focada em universitários de Engenharia e outros cursos de Exatas. Com a experiência anterior, o trio sentiu uma certa carência de encontrar bons profissionais de TI (tecnologia da informação), o que motivou o lançamento da Driven. A ideia é atuar na formação adequada deste setor.

"A falta de mão de obra especializada é um dos principais gargalos hoje para o desenvolvimento do ecossistema de inovação no Brasil. Iniciativas como a Driven trabalham para, além de suprir esse gargalo, fomentar a educação de jovens, abrindo portas para um nova geração de profissionais, potenciais líderes de empresas do presente e do futuro", diz Leonardo Teixeira, sócio da Iporanga Ventures.

Segundo a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), os cursos superiores de tecnologia no país formam cerca de 46 mil alunos por ano, mas para suprir o déficit de contratações, seria preciso 70 mil profissionais por ano, ou 420 mil até 2024.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos