Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.066,21
    -3.955,32 (-7,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Startup que combate abusos nas empresas ganha aporte de R$ 11 milhões

·1 min de leitura
A intenção da plataforma digital é facilitar o relato das más condutas internas de empresas e companhias. Foto: Getty Images.
A intenção da plataforma digital é facilitar o relato das más condutas internas de empresas e companhias. Foto: Getty Images.
  • Empreendedoras fundaram plataforma que enfrenta má conduta nas empresas;

  • Agora, a startup recebeu o segundo investimento, de R$ 11 milhões, para a ferramenta digital;

  • Pela plataforma, o usuário que faz a denúncia consegue acompanhar o processo em tempo real.

Em 2020, as empreendedoras Rafaela Frankenthal, Giovanna Sasso, Natalie Zarzur e Claudia Farias fundaram, por meio da startup SafeSpace, uma plataforma que, atualmente, é utilizada por mais de 50 companhias, como Creditas, Buser, Petlove e Isaac.

A empresa divulgou, na última quinta-feira (18), o recebimento de um investimento de R$ 11 milhões para a ferramenta digital cuja função é facilitar o relato das más condutas internas de empresas e companhias, como casos de discriminação, assédio e fraude.

Leia também:

A ABSeed Ventures liderou o aporte, que é o segundo realizado, e teve participação do DGF Investimentos, assim como de investidores-anjo. Em outubro de 2020, a startup teve o primeiro investimento.

A plataforma foi criada com a intenção de capturar a quantidade de dados necessários para apurar os casos nos quais há má conduta, de forma a reduzir o tempo do processo. 

Na ferramenta, o usuário que faz a denúncia consegue acompanhar o processo em tempo real, observando se o relato foi visualizado, bem como quando a investigação teve início e o resultado.

Rafaela Frankenthal, cofundadora do projeto, afirma que as empresas estão compreendendo a importância de olhar de forma diferente para as ferramentas de compliance. Contudo, também alerta para a falta de representatividade feminina no setor.

As informações são do Pequenas Empresas & Grandes Negócios.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos