Mercado abrirá em 2 h 33 min
  • BOVESPA

    107.829,73
    -891,85 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.335,51
    -713,54 (-1,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,36
    +1,22 (+1,58%)
     
  • OURO

    1.898,10
    +13,30 (+0,71%)
     
  • BTC-USD

    23.227,88
    +276,67 (+1,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,58
    +9,63 (+1,83%)
     
  • S&P500

    4.164,00
    +52,92 (+1,29%)
     
  • DOW JONES

    34.156,69
    +265,67 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.922,80
    +58,09 (+0,74%)
     
  • HANG SENG

    21.283,52
    -15,18 (-0,07%)
     
  • NIKKEI

    27.606,46
    -79,01 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    12.758,00
    -18,75 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5862
    +0,0091 (+0,16%)
     

Startup prevê que singularidade tecnológica da IA poderá ser alcançada em 7 anos

Segundo uma startup italiana, estamos chegando muito perto da singularidade tecnológica, uma teoria que prevê o momento em que a inteligência artificial chegue ao ponto de se atualizar tão rapidamente que tudo a partir desse ponto mude para sempre — a velha ideia de que a IA chegará ao mesmo nível que a mente humana e, talvez, até a ultrapasse. Há polêmicas, no entanto, principalmente por conta dos critérios utilizados para classificar esse evento.

Neste caso, o foco está na linguagem. Segundo o CEO da Translated, empresa voltada à tradução por IA, a língua é um aspecto muito natural dos seres humanos, mas, historicamente, seu entendimento é uma grande dificuldade para as máquinas. Dessa forma, no momento em que a IA conseguisse alcançar ou ultrapassar nossa habilidade de comunicativa e tradutora, chegaria na inteligência artificial geral (IAG), o ponto de singularidade tecnológica que imaginamos.

O que nos aproxima da singularidade tecnológica?

A proximidade da capacidade das máquinas de se equiparar aos humanos pode estar mais próxima do que imaginamos, diz empresa de IA (Imagem: Pixabay/Gerd Altmann)
A proximidade da capacidade das máquinas de se equiparar aos humanos pode estar mais próxima do que imaginamos, diz empresa de IA (Imagem: Pixabay/Gerd Altmann)

Conforme a análise de dados da companhia, estaríamos a apenas 7 anos da singularidade — bem mais próximos do que se pensava. A conclusão é, talvez, um pouco apressada, especialmente por conta do critério escolhido: "Time to Edit" (tempo para editar, em tradução livre), ou TTE, a média de tempo que leva para que humanos profissionais chequem e corrijam traduções sugeridas por máquinas.

Na Translated, os melhores tradutores levam um segundo por palavra para editar as sugestões da IA. Há 8 anos, em 2015, os mesmos profissionais levavam 3,5 segundos por palavra para a mesma edição, e, em 2022, já haviam evoluído para 2 segundos. O mérito, nesse caso, é das máquinas, que vão sugerindo traduções cada vez mais acuradas, com menos necessidade de correção. A empresa diz que a tendência da IA é continuar melhorando na mesma velocidade.

Controvérsias e nichos

O problema da singularidade é que ela seria definida por muitos fatores, e só um nicho tecnológico não seria o bastante para definir que as máquinas nos alcançaram (Imagem: Gerd Altmann/Pixabay)
O problema da singularidade é que ela seria definida por muitos fatores, e só um nicho tecnológico não seria o bastante para definir que as máquinas nos alcançaram (Imagem: Gerd Altmann/Pixabay)on

O problema dessa interpretação acerca da evolução da IA é que, bem, o software da Translated é feito para traduzir línguas, então medir a singularidade das máquinas a partir do seu avanço em sua área nichada faz muito sentido internamente — mas ignora a enormidade de funções além dessa que a inteligência artificial abarca, como imagens, textos, aproximações e toda a sorte de coisas, especialmente na indústria.

Além disso, pesquisadores ainda não chegaram a um consenso sobre a IAG, com várias medidas de avanço além da que a Translated usa, que, apesar de válida, é limitada. Chegar à capacidade humana requer poder de abstração e interpretação de contextos, o que não é campo exclusivo da linguagem, e envolve tantas variáveis que até uma máquina tontearia ao pensar nisso. O tempo de edição é, certamente, uma boa medida, mas não parece tão convincente quando, por si só, promete chegarmos à singularidade tecnológica em 2030.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: