Mercado abrirá em 6 h 3 min
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,32 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -909,02 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    85,80
    +0,66 (+0,78%)
     
  • OURO

    1.838,00
    +6,20 (+0,34%)
     
  • BTC-USD

    35.137,62
    -265,77 (-0,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    812,07
    +569,39 (+234,63%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,03 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.747,65
    -217,90 (-0,87%)
     
  • NIKKEI

    27.585,63
    +63,37 (+0,23%)
     
  • NASDAQ

    14.548,25
    +121,75 (+0,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1749
    -0,0151 (-0,24%)
     

Startup do PR cria minibancos para empresas emprestarem a fornecedores

·2 min de leitura

A startup paranaense Bankme oferece a grandes e médias empresas desde a sua criação, em 2020, o serviço de "minibanco". Mas o que é isso? São operações financeiras de crédito, como empréstimos e antecipação de recebíveis, para os fornecedores dessas companhias, mas com a possibilidade de ceder juros mais baixos e menos burocracia que uma financeira convencional.

A companhia recebeu há cerca de um ano um aporte de investimento de R_jobs(data.conteudo)nbsp;20 milhões da Target Venture. Atualmente mantém 34 minibancos em operação e 46 funcionários, grande parte atuando de maneira presencial em Londrina. A expectativa é de alcançar o patamar de 300 minibancos até o final deste ano.

A proposta dos fundadores Thiago Eik e André Bravo é viabilizar o crédito para empresas com faturamento a partir de R$ 60 milhões ao ano. São três planos:

  • Lite, onde o fornecedor não opta por um minibanco mas pode lucrar virando um parceiro da empresa;

  • Pro, onde a empresa precisa operar o capital próprio do minibanco junto aos fornecedores;

  • Master, onde o minibanco funciona com capital próprio e CNPJ da empresa, além de precisar de uma rentabilidade líquida de 80% do faturamento.

(Imagem: CardMapr/Unsplash)
(Imagem: CardMapr/Unsplash)

A vantagem do serviço é que as empresas que o assinam conseguem ter um melhor relacionamento com seus fornecedores. As operações são executadas pela fintech e a plataforma pode ser acessada via web ou celulares.

Esse tipo de operação é apoiado por uma lei complementar relativamente recente: a 167/2019, que instituiu as ESC (Empresas Simples de Crédito), criadas para descentralizar as concessões de crédito. Elas podem realizar operações de empréstimos e financiamentos com capital próprio e voltado para microempreendedores individuais (MEIs), microempresas e empresas de pequeno porte. Antes disso, apenas empreendimentos maiores, com faturamento anual na casa dos bilhões de reais, eram aptas a receber esses serviços.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos