Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.580,47
    -470,07 (-0,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Startup Phantom Space quer fabricar foguetes em massa para reduzir custos

Danielle Cassita
·3 minuto de leitura

Em breve, o mercado de lançamentos de pequenos satélites será composto pelos serviços de mais uma empresa. A startup Phantom Space planeja lançar pequenas cargas úteis com alta frequência e baixo custo, usando os foguetes Daytona e Laguna, que serão fabricados em massa. A Phantom Space planeja iniciar os lançamentos para a órbita em 2023 e, para isso, irá dedicar um investimento de US$ 5 milhões.

A empresa foi fundada por Jim Cantrell, que foi um dos primeiros engenheiros da SpaceX e já trabalhou no Laboratório de Propulsão a Jato, da NASA. Segundo ele, a ideia é que a empresa se torne uma espécie de Henry Ford da indústria espacial por meio da produção em massa: “na Phantom, para conseguirmos vender rapidamente e produzir em massa, vamos aumentar a cadeia de suprimentos das nossas inovações para chegar à órbita mais rápido do que se pensava”, disse ele em uma entrevista.

Representação do foguete Daytona (Imagem: Reprodução/PhantomSpaceInc/Twitter)
Representação do foguete Daytona (Imagem: Reprodução/PhantomSpaceInc/Twitter)

Richard Chenel, fundador e parceiro da Chenel Capital, a organização que liderou as iniciativas para a obtenção de fundos para a empresa, explica que muitas empresas de lançamento tentaram "reinventar a roda", o que tem algumas consequências para os lançamentos: “eles ‘começam no A e tentam desenvolver tudo até Z’, e isso leva a altos custos e atrasos de cronograma”, disse. Assim, a empresa está desenvolvendo o foguete Daytona, seu primeiro veículo, que deverá realizar missões com custo de US$ 4 milhões. Quando estiver finalizado, o foguete de dois estágios terá 19 m de altura, e será capaz de transportar 450 kg de cargas úteis para a órbita baixa da Terra.

O veículo será alimentado por sete motores Hadley no primeiro estágio e um no estágio superior, alimentados por uma mistura de oxigênio líquido e querosene. O nome “Daytona” foi escolhido por Cantrell inspirado em um circuito de corrida, e o foguete deverá ter desempenho semelhante ao Falcon 9, da SpaceX, além de pernas de pouso e um sistema de guia para retornar à base. Esse não será o único veículo na frota da Phantom Space: a empresa está desenvolvendo também o Laguna, que deverá ser ainda mais poderoso que o Daytona. Este será um veículo com primeiro estágio reutilizável, que poderá transportar 1.200 kg de cargas para a órbita baixa da Terra a cada lançamento. O foguete irá contar com um motor Hadley em seu estágio superior e três motores Ripley no primeiro estágio.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Os veículos serão desenvolvidos para o mercado de lançamentos que já tem grandes empresas: a Rocket Lab, empresa sediada na Califórnia, vem realizando lançamentos de pequenos satélites para a órbita — mas empresas como Aerospace, Orbex e outras podem abraçar estes serviços de lançamentos dedicados em breve. Além disso, quando falamos dos lançamentos compartilhados, já há grandes foguetes como o Falcon 9, que transportam cargas úteis para a órbita.

Ainda há bastante trabalho pela frente até que esses veículos sejam lançados e, enquanto isso, a Phantom já está licenciando um design da NASA, que seria usado para pequenos foguetes, sendo que as baterias serão feitas por um fabricante comercial. Então, o trabalho interno da empresa vai consistir na construção de válvulas, da estrutura dos foguetes e do sistema de separação dos estágios: "ainda há muito a se fazer", disse Cantrell.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: