Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    60.941,36
    -2.219,43 (-3,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Startup Lastlink movimenta mais de R$ 31 milhões com monetização de conteúdos

·2 minuto de leitura

Fundada em agosto de 2020, a Lastlink tem a proposta de facilitar o gerenciamento de assinaturas e pagamentos em ferramentas como Instagram, WhatsApp e Telegram. A startup já ajudou mais de 2,1 mil criadores, segundo seus próprios números. “Já alcançamos mais de 550 mil clientes e o valor transacionado já ultrapassou R$ 31 milhões”, declara Ank.

A proposta da empresa é permitir que produtores de materiais autorais, cursos, vídeos, fotos e outros obtenham receita com esses conteúdos. “Queremos que qualquer empreendedor ou entusiasta nas redes sociais saiba que é possível profissionalizar sua atuação online e convertê-la em dinheiro”, explica Michel Ank, CEO da Lastlink.

Imagem: Reprodução/Envato/Balashmirzabey
Imagem: Reprodução/Envato/Balashmirzabey

Um estudo recente do Influencer Marketing Hub estima que dos mais de 50 milhões de criadores de conteúdo em todo mundo, 96% não se consideram profissionalizados. O objetivo da companhia é possibilitar que os autores se preocupem apenas com a elaboração de material e a captação de clientes.

Um dos formatos de monetização mais utilizados pelos criadores é o acesso a perfil privado no Instagram. Nesse modelo, a ferramenta dá permissão ao seguidor após o pagamento pela plataforma da startup. O mesmo ocorre com o Close Friends (Melhores Amigos): o perfil é público, mas produtos exclusivos são apresentados apenas a assinantes.

Outra opção são os grupos fechados em aplicativos de mensagens como o Telegram e o WhatsApp — muito comum em cursos, treinamentos e mentorias. Para ingressar na comunidade, o participante efetua o pagamento e recebe um link de acesso exclusivo.

O preço pode ser definido pelo autor, a partir de R$ 5. A plataforma cobra taxa de 9,99% sobre o que é transacionado. Em todas as modalidades, a inclusão e a exclusão de participantes são automáticas de acordo com a entrada (ou não) dos pagamentos.

Entrega de conteúdo

Um dos recursos da solução é o Lastlink Feed, uma área exclusiva para clientes, que permite o compartilhamento de conteúdos em diversos formatos, sem limitação de tempo. Além disso, possibilita o upload de posts já publicados em redes sociais.

Imagem: Reprodução/Unsplash/Junior REIS
Imagem: Reprodução/Unsplash/Junior REIS

A ferramenta ajuda a facilitar a entrega de conteúdo. “Com o Lastlink Feed, os criadores podem compartilhar vídeos, fotos, textos e links com seus assinantes sem qualquer interferência de algoritmos. E ele ainda proporciona uma experiência mais imersiva para o usuário, sem anúncios e outros conteúdos”, explica Ank.

A Lastlink recebeu, em maio de 2021, US$ 1,4 milhão (R$ 7,7 milhões) de investimento em uma rodada liderada pela venture capital Canary. A estimativa é triplicar os resultados nos próximos 12 meses.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos