Mercado abrirá em 2 h 11 min
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,33
    +3,18 (+4,67%)
     
  • OURO

    1.801,10
    +13,00 (+0,73%)
     
  • BTC-USD

    56.990,50
    +2.651,23 (+4,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.420,78
    -34,63 (-2,38%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.090,14
    +46,11 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    23.852,24
    -228,28 (-0,95%)
     
  • NIKKEI

    28.283,92
    -467,70 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.187,50
    +136,50 (+0,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2887
    -0,0598 (-0,94%)
     

Startup lança teleatendimento psiquiátrico gratuito para população LGBTQIA+

·1 min de leitura

A healthtech Sanar divulgou bons números do Teleambulatório Gratuito de Psiquiatria, que atende a pacientes da comunidade LGBTQIA+. A iniciativa já existe há cerca de um ano e contabiliza quase 2.000 atendimentos gratuitos no período.

O teleambulatório conta com a participação de alunos dos cursos de pós-graduação de psiquiatria da Sanar e médicos tutores contratados pela startup. Os pacientes foram cadastrados em uma parceria com a Aliança Nacional LGBTI+ e a ONG Mães pela Diversidade.

As pessoas preenchem um formulário e passam por uma triagem, que dá prioridade a quem está em situação de vulnerabilidade e necessita de cuidados em saúde mental. Em outubro deste ano, o projeto foi reconhecido pela Prefeitura de São Paulo e rendeu o Selo de Direitos Humanos e Diversidade.

Saulo Ciasca, coordenador da pós-graduação em psiquiatria da Sanar (Imagem: Divulgação/Sanar)
Saulo Ciasca, coordenador da pós-graduação em psiquiatria da Sanar (Imagem: Divulgação/Sanar)

A iniciativa importa bastante nos tempos atuais, já que as taxas de questões de saúde física e mental — como depressão, ansiedade, suicídio e transtornos alimentares — são maiores na população LGBTQIA+.

“Esta parte da população é vulnerabilizada para desfechos negativos de saúde mental por sofrer com estigma, discriminação e violência vivenciado pela LGBTfobia”, explica Saulo Ciasca, psiquiatra e coordenador da pós-graduação em psiquiatria da Sanar.

Segundo Ciasca, há um ganho mútuo na iniciativa porque os jovens médicos aprendem a lidar com a diversidade e as formas de tratar cada paciente, enquanto estes ganham um tratamento diferenciado. "Os nossos alunos têm acesso a um atendimento em saúde mental para uma parcela expressiva da população, que não é comum em nenhum lugar do Brasil”, explica Ciasca. A expectativa é que o número de consultas seja ampliado para chegar a mais pessoas a partir do ano que vem.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos