Mercado fechará em 3 h 30 min
  • BOVESPA

    108.834,09
    +1.455,17 (+1,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,72
    +469,52 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,90
    +1,84 (+4,27%)
     
  • OURO

    1.800,70
    -37,10 (-2,02%)
     
  • BTC-USD

    19.279,93
    +827,96 (+4,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,72
    +10,97 (+2,97%)
     
  • S&P500

    3.610,92
    +33,33 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    29.977,78
    +386,51 (+1,31%)
     
  • FTSE

    6.420,10
    +86,26 (+1,36%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    11.918,50
    +13,25 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4074
    -0,0329 (-0,51%)
     

Startup israelense de trabalho freelancer chega ao Brasil

BEATRIZ MONTESANTI
·2 minuto de leitura
Side view of female freelancer photographer checking photos on a digital camera .
Side view of female freelancer photographer checking photos on a digital camera .

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Startup israelense dedicada a conectar freelancers a empresas chegou nesta terça (10) à América do Sul pelo Brasil. A Fiverr já era acessada por brasileiros, mas disponibilizará a partir de agora uma plataforma em português e possibilidades de pagamentos em real, via cartão de crédito ou boleto bancário.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News


Criada em 2010 pelos israelenses Micha Kaufman e Shai Wininger, a Fiverr opera hoje em 160 países, disponibilizando trabalhos pontuais para profissionais de diversas categorias, como designers gráficos, tradutores, programadores e músicos.

Leia também:

Há alguns anos, a startup se viu em meio a polêmicas de venda de serviços para curtidas em redes sociais e realização de boas avaliações de produtos da Amazon -o que rendeu uma disputa jurídica com a gigante de vendas online. A startup se prontificou a remover esse tipo de serviço do site.

A empresa já foi criticada também por anunciar serviços a preços muito baixos para o trabalhador -inicialmente, cada "gig", como são chamados os trabalhos na plataforma, valia US$ 5 (R$ 27), e a Fiverr ficava com US$ 1 (R$ 5,4) -o nome do site vem da palavra "cinco" em francês. Hoje em dia freelancers podem cobrar o quanto quiserem por seus serviços.

No último ano, foram realizadas mais de 3 milhões de contratações por meio do site, em 400 categorias diferentes, o que fez o valor da companhia triplicar. Só em 2020, além do Brasil, a plataforma desembarcou também na Alemanha, França e Espanha.

Boa parte do crescimento da procura foi impulsionada pela pandemia, explica Peggy De Lange, vice-presidente de expansão Internacional da empresa.

”Já enxergávamos no Brasil um cenário promissor para essa nova forma de trabalhar e a pandemia fez com que mais pessoas buscassem outras maneiras de exercer suas atividades e gerar renda", diz ela.

De acordo com uma pesquisa interna, 41% dos novos usuários do site estavam desempregados quando se cadastraram na Fiverr e 35% disseram ter sido o isolamento o motivo da busca por trabalho na plataforma. Só no Brasil, mais de 4 milhões de trabalhadores perderam o emprego nos últimos meses.

O diferencial da plataforma está em funcionar como uma espécie de marketplace: espaço de venda de produtos mediado por uma empresa. No caso, ela permite que o trabalhador possa definir preços e escopo de trabalho para as ofertas disponíveis. Algoritmos também selecionam e enviam as ofertas aos freelancers compatíveis com determinada demanda. A Fiverr fica com 20% de todas as transações realizadas.

O foco está em pequenas e médias empresas que têm dificuldade para realizar contratação. A startup oferece, inclusive, um programa de microcrédito, que empresta até US$ 1.000 (certa de R$ 5,4 mil) para pequenos negócios utilizarem dentro da plataforma. Cada empresa associada pode requerer o recurso uma vez por mês.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube