Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.767,45
    -497,51 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.129,88
    -185,81 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,08
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.779,40
    +2,00 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    32.433,68
    +482,00 (+1,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    767,68
    -26,65 (-3,36%)
     
  • S&P500

    4.246,44
    +21,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.945,58
    +68,61 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.309,76
    -179,24 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    28.884,13
    +873,20 (+3,12%)
     
  • NASDAQ

    14.271,00
    +12,75 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9198
    -0,0555 (-0,93%)
     

Startup quer ensinar inglês pelo WhatsApp

Jan Krutzinna, CEO e fundador da EduSim (Foto: Divulgação)
Jan Krutzinna, CEO e fundador da EduSim (Foto: Divulgação)

Por Matheus Mans

Formado em ciências da computação e psicologia pela Universidade de Harvard, o alemão Jan Krutzinna viu no Brasil a oportunidade de usar o conhecimento de suas duas formações. Há cinco anos que ele comanda a EduSim, uma startup de educação que usa o WhatsApp para difundir o conhecimento da língua inglesa de maneira uniforme pelo país.

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

INSTALE O APP DO YAHOO FINANÇAS (ANDROID / iOS)

“Vi que tinha muito investimento em ensino de inglês no Brasil, mas ninguém falava a língua. E tudo é muito diferente da Alemanha nesse quesito, já que aqui pessoas não aprendem inglês na escola”, disse ele, fundador e CTO da edtech. “Queria fazer com que as pessoas no Brasil passassem a ter as mesmas oportunidades que eu tive com o inglês”.

Leia também

Assim, ele desenvolveu a plataforma ChatClass, que funciona dentro do WhatsApp. O serviço usa um sistema de inteligência artificial para interagir com alunos do Ensino Fundamental e Médio por meio de áudios e texto. Além disso, os professores conseguem ter dados da performance e esforço de suas turmas por uma forma simples e efetiva.

Apenas 5% dos brasileiros falam inglês fluente, enquanto 71% dos jovens entre 9 e 17 anos acessam a internet mais de uma vez por dia, segundo a TIC-Kids Online. “Se você já usa o WhatsApp todo dia em português, é possível usar também em inglês”, disse Jan.

Alcance

Com cinco anos de idade, a EduSim já tem uma jornada invejável. A startup foi selecionada para Residência do Google Campus em São Paulo e soma cerca de R$ 3 milhões recebidos dos fundos Canary, Graph Ventures e Social Capital. Além disso, passou por conhecidos programas de aceleração como o SEED-MG e Estação Hack do Facebook.

A empresa já impactou cerca de 150 mil alunos de escolas públicas e privadas. Os ganhos da EduSim vêm dos valores pagos pela escola para utilizar o ChatClass.

Para Jan, a grande dificuldade é continuar a levar a plataforma em escolas de todo o País. “Como distribuir a solução e como vender pelo Brasil? É um País muito grande, a viagem é cara e não vale a pena ir pra outro lugar vender algo por um valor pequeno. Por isso, hoje chegamos nas escolas por sistemas de ensino e grupos grandes”, ressalta ele.

Mas, ainda assim, o empreendedor não esconde o ânimo de como vê a sua solução ao longo dos próximos anos no Brasil. “O que fazemos não é somente ensinar gramática e vocabulário. Queremos que o brasileiro faça parte da sociedade globalizada sem vergonha de falar inglês. É uma competência que alavanca o capital humano”, finaliza Krutzinna.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos