Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,40
    -0,15 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.791,60
    +31,70 (+1,80%)
     
  • BTC-USD

    17.153,23
    +261,12 (+1,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    406,83
    +6,13 (+1,53%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.573,05
    +61,05 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    28.297,39
    +328,40 (+1,17%)
     
  • NASDAQ

    12.062,75
    +20,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3965
    0,0000 (0,00%)
     

Startup desenvolve plataforma de metaverso para o varejo brasileiro

A R2U, startup de soluções de realidade aumentada para o varejo, está desenvolvendo sua plataforma de metaverso para o setor nacional. A ideia é lançar coleções e promoções no conceito do phygital, isto é, misturando a sensação do físico com as vantagens do digital. Segundo a empresa, o conceito final será mostrado em janeiro.

Para os consumidores, uma das possibilidades estudadas é que a compra de produtos físicos distribua também NFTs (tokens não-fungíveis, versões únicas de um produto digital) dos mesmos bens adquiridos para serem usados no metaverso.

De acordo com Caio Jahara, cofundador e CEO da R2U, essa função impulsionará as vendas e estimulará o foco na criação de conteúdos para o metaverso. “As pessoas já tomam decisões com base na forma como querem ser representadas e, uma vez que essa representação se torne digital, não haverá limites para o que a humanidade possa alcançar. Com o metaverso, 100% do nosso ‘verdadeiro eu’ será visto e o impacto nos negócios será imenso”, diz.

Outras ideias do projeto consistem em uma mintadora (“mintar” é a terminologia associada ao processo de criar ou gerar um NFT), com o qual qualquer artista poderá transformar suas obras em um token digital; e um marketplace de NFTs, com produtos digitais por categoria.

"Em nosso metaverso os consumidores também poderão adquirir terras, criar seus avatares, construir suas casas, mobiliá-las, colecionar peças de arte e o que mais a imaginação permitir”, complementa Jahara.

<a class="link " href="https://canaltech.com.br/celebridade/mark-zuckerberg/" rel="nofollow noopener" target="_blank" data-ylk="slk:Mark Zuckerberg">Mark Zuckerberg</a> apresenta a Meta; empresa aposta alto na criação de metaverso (Imagem: Reprodução/Facebook)
Mark Zuckerberg apresenta a Meta; empresa aposta alto na criação de metaverso (Imagem: Reprodução/Facebook)

O que é metaverso?

Bastante famosa em jogos como Second Life, Fortnite, Minecraft, Roblox e filmes de ficção científica como Matrix e Jogador Nº 1, a palavra metaverso apareceu pela primeira vez no livro Snow Crash, escrito por Neal Stephenson, em 1992. Desde então, o conceito avançou bastante e se incorporou à realidade tecnológica.

O Facebook, que criou este ano a Meta para ser a empresa controladora da rede social, aposta alto na criação de um metaverso para comunicação em espaços virtuais compartilhados. A gigante das redes sociais anunciou que planeja contratar 10 mil pessoas nos próximos cinco anos para a criação de um mundo virtual exclusivo.

“O metaverso é um mundo 3D virtual compartilhado, ou mundos que são interativos, imersivos e colaborativos. Assim como o universo físico é uma coleção de mundos conectados no espaço, o metaverso também pode ser considerado um aglomerado de mundos”, diz o gerente de marketing da divisão Enterprise da NVIDIA para América Latina Marcelo Pontieri. “Em breve, o conceito se tornará uma plataforma que não está vinculada a nenhuma aplicação ou lugar único, digital ou real. É como se criássemos outra realidade e outro mundo que pode ser tão rico quanto o mundo real”.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: