Mercado abrirá em 4 h 14 min
  • BOVESPA

    110.345,82
    +1.857,94 (+1,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.376,89
    -141,41 (-0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,10
    -0,19 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.857,80
    +10,00 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    29.275,09
    -1.046,34 (-3,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    654,81
    -20,07 (-2,97%)
     
  • S&P500

    3.973,75
    +72,39 (+1,86%)
     
  • DOW JONES

    31.880,24
    +618,34 (+1,98%)
     
  • FTSE

    7.472,43
    -41,01 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    20.112,10
    -357,96 (-1,75%)
     
  • NIKKEI

    26.748,14
    -253,38 (-0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.800,25
    -235,00 (-1,95%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1366
    -0,0111 (-0,22%)
     

Startup Crack the Code, de irmã do fundador do Nubank, recebe aporte milionário

·2 min de leitura

A startup peruana Crack the Code, voltada a cursos de programação online para crianças e adolescentes, recebeu uma rodada inicial (seed) de financiamento de US$ 2,7 milhões (R$ 14,9 milhões) liderada pela Kaszek Ventures (a mesma da QuintoAndar, Remessas Online e Azos). Segundo o site mexicano Contxto, a edtech foi fundada e é chefiada pela colombiana María Velez, irmã de David Vélez, cofundador e CEO do Nubank.

O dinheiro deve ser usado para aumentar a presença no México, operar em mais países da região e contratar talentos nas áreas de tecnologia e marketing. Este é o primeiro investimento que o fundo de capital de risco Kaszek fez em uma empresa do Peru. Além disso, três grupos educacionais aderiram à rodada, como o mexicano Talisis.

Fundada em 2017, a Crack the Code expandiu-se para outros países latinos como México, Colômbia e outros da América Central. Seu público-alvo são crianças entre 9 e 11 anos, idade considerada pela edtech como apta para começar a identificar seus gostos e interesses. Também oferece programas especializados para meninas para promover a inclusão de mulheres na tecnologia desde cedo.

Edtechs como a Crack the Code serão um mercado latino de US$ 10 bilhões até 2025 (Imagem: Christina Morillo/Pexels)
Edtechs como a Crack the Code serão um mercado latino de US$ 10 bilhões até 2025 (Imagem: Christina Morillo/Pexels)

A empresa alcançou mais de 5.000 jovens em 22 países nesses quatro anos, e contou até então só com financiamento da própria María Velez, além de uma rodada pre-seed de US$ 95 mil (R$ 525 mil).

De acordo com a associação de capital privado LAVCA, as edtechs representam apenas 4% do investimento em capital de risco (por número de negócios) em 2019. Por outro lado, estima-se que os cursos virtuais na América Latina criarão um mercado de US$ 10 bilhões (R$ 55 bilhões) até 2025. Em 2020, foram investidos US$ 83 milhões (R_jobs(data.conteudo)nbsp;459,5 milhões) em edtechs na região. Neste ano, o montante subiu para US$ 299 milhões (R_jobs(data.conteudo)nbsp;1,6 bilhões), segundo outro estudo da consultoria Holon IQ.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos