Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.013,87
    -1.705,67 (-2,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Startup chilena quer ser ‘Cola-Cola’ de ingredientes veganos

Eduardo Thomson
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A The Live Green, uma startup produtora de alimentos à base de plantas no Chile, quer usar o apoio financeiro conseguido recentemente da Sigma Alimentos, uma unidade do conglomerado mexicano Alfa SAB, para levar a indústria a práticas mais sustentáveis.

A estratégia da empresa não será inundar as prateleiras dos supermercados com seus hambúrgueres e misturas para panquecas de origem vegetal ou seus sorvetes. Esses produtos foram criados para mostrar o potencial do Charaka, um algoritmo que planeja licenciar no futuro para grandes produtores de alimentos que ajudaria a identificar aditivos sintéticos, de origem animal ou processados nos rótulos de seus próprios produtos e substituí-los por alternativas naturais à base de plantas.

“Como uma startup em estágio inicial, era muito difícil chegar aos fabricantes de alimentos para convencê-los a migrar” para o Charaka, então a The Live Green desenvolveu seus próprios produtos para mostrar como o sistema funciona, disse a diretora-presidente e fundadora da empresa, Priyanka Srinivas. No futuro “nossa receita viria de royalties e misturas de bases. Como o modelo da Coca-Cola”, disse Srinivas em entrevista.

O sorvete da The Live Green tem sabor, textura e consistência do sorvete comum, explicou Srinivas, mas substituiu aditivos como goma, sucralose, emulsificantes e agentes anticongelantes por produtos como abacate, banana, sementes de girassol e óleo. A empresa possui uma unidade de produção nos arredores da cidade de San Fernando, cerca de 140 quilômetros ao sul de Santiago, onde adquire seus ingredientes de agricultores locais.

A Sigma investiu na rodada de sementes da The Live Green após realizar testes com o Charaka em um de seus próprios produtos, disse Srinivas. O conglomerado mexicano permitirá a exibição dos produtos da The Live Green nos 18 mercados em que opera, com o objetivo de obter mais licenciados para o Charaka. “Não queremos construir uma marca FMCG”, disse Srinivas, em referência à sigla para ‘bens de consumo de movimento rápido’ no jargão do setor. No futuro, outros FMCGs à base de plantas, como Beyond Meat, Impossible Burger, Oatly ou mesmo a NotCo do Chile, podem se tornar clientes.

Agora, a The Live Green está em negociações com vários fundos de capital de risco focados em proteínas, bem como family offices e alguns varejistas para levantar outros US$ 5 milhões, avaliando a empresa em cerca de US$ 21 milhões.

Srinivas, de 37 anos, nasceu em Hyderabad, Índia, e já trabalhou em marketing para a Target. Ela viajou ao Chile para fundar a The Live Green em 2018 atraída pelo programa Start-Up Chile, que fornece capital inicial e assistência a novas empresas. O Chile também teve a vantagem de ser um pequeno mercado com características semelhantes às dos Estados Unidos, onde poderia testar seus produtos.

O diretor de tecnologia da The Live Green e mentor por trás do Charaka também é da Índia.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.