Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.427,99
    -119,61 (-0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Startup chilena busca fatia em gigante mercado de remessas

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A fintech chilena Global66 aposta no forte fluxo de remessas e transferências de dinheiro pela América Latina com a esperança de que uma nova onda de produtos dê vantagem à empresa sobre o grande número de concorrentes.

A startup, que emprega 200 pessoas em oito países, planeja usar a rodada mais recente de financiamento para promover um novo aplicativo por meio do qual clientes podem enviar dinheiro instantaneamente entre contas a partir de sua plataforma a baixo custo, disse o CEO e fundador da empresa, Tomás Bercovich, em entrevista. A plataforma já permite que clientes movimentem fundos entre contas de bancos comerciais.

A Global66 busca uma fatia de um mercado gigante. Mexicanos que trabalham no exterior enviaram para casa US$ 4,44 bilhões somente em junho, um aumento de 26% em relação ao ano anterior, de acordo com o Banco de México. Também em junho, as remessas para a Colômbia cresceram 25% na comparação anual. Mas a competição é acirrada: uma busca na Google Play Store em espanhol com o termo “enviar dinheiro” traz 249 aplicativos diferentes.

“Não estou preocupado em competir com outras fintechs por financiamento ou por clientes”, disse Bercovich, referindo-se ao mercado mais amplo de novos serviços financeiros. “Ainda há pouca competição na América Latina.”

A Global66 tem como alvo os segmentos de renda média e baixa e pequenas empresas em países como México, Peru, Argentina e Colômbia, onde muitas pessoas permanecem excluídas do sistema bancário.

Os ricos “têm acesso a executivos que podem ajudá-los a conseguir boas tarifas para enviar dinheiro ao exterior”, disse Bercovich. “Para pessoas com menos patrimônio e PMEs, tudo é muito mais complexo.”

A Global66 captou US$ 12 milhões em uma rodada de financiamento de estágio A em julho liderada pela Quona Capital e contou com a participação da Magma Partners, Venrex Investment Management, Clocktower Technology Ventures e outros investidores. No total, a empresa arrecadou US$ 20 milhões desde a fundação em 2018.

A fintech usará parte desse capital para lançar seu próprio cartão pré-pago no Chile e tem um projeto fazer o mesmo na Colômbia. Nos próximos meses, a Global66 também planeja oferecer uma carteira eletrônica com múltiplas moedas.

A empresa já cresce rapidamente, tendo movimentado cerca de US$ 400 milhões em transferências no acumulado de 2021, cinco vezes mais do que no primeiro semestre de 2020. A meta é alcançar US$ 1 bilhão até o fim do ano.

Bercovich não quis comentar sobre o valor atual da Global66 após a rodada de financiamento ou quanto planeja captar no futuro. “Nosso objetivo agora é desenvolver produtos”, disse. “No futuro, podemos começar a oferecer outras coisas, como empréstimos.”

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos