Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,81
    +0,61 (+0,78%)
     
  • OURO

    1.762,80
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    16.453,96
    +313,43 (+1,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    389,69
    +0,96 (+0,25%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    27.900,40
    -127,44 (-0,45%)
     
  • NASDAQ

    11.506,25
    -18,50 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4592
    +0,0026 (+0,05%)
     

Startup canadense quer usar rovers para recarregar robôs na Lua

A startup canadense STELLS SPACE está desenvolvendo o rover Mobile Power Rover 1 (MPR-1) e planeja lançá-lo à Lua, onde servirá como uma “torre de energia” para recarregar os robôs explorando crateras em nosso satélite natural. A empresa planeja lançar o MPR-1 em 2025 com o lander Nova-C, da Intuitive Machines.

As crateras lunares em sombras permanentes são de grande interesse para os cientistas, já que podem conter pistas sobre o passado do Sistema Solar. Só que a luz do Sol nunca chega ali, e os rovers lançados para explorá-las precisam depender de suas baterias.

Assim, a STELLS quer oferecer o MPR-1 como uma solução para esta restrição energética. “Na STELLS, pegamos a ideia de ter uma tomada na parede e começamos a analisar como executamos tarefas diárias carregando dispositivos na Terra”, disseram, em um comunicado. Pensando neste cenário, o rover levaria então “cubos de alimentação” para o interior das crateras.

O veículo ficaria posicionado na borda delas e abriria seus painéis solares. Depois, a eletricidade transmitida seria transferida para o cubo com a ajuda de cabos, onde os rovers de exploração das crateras poderiam se conectar a ele e, assim, seriam alimentados para seguir em suas atividades.

Segundo a empresa, o Mobile Power Rover 1 poderá carregar robôs de exploração que tenham receptores STELLS ou bobinas de outros fornecedores. “O projeto visa avançar um passo significativo na exploração lunar, com destino à presença de longo prazo na Lua”, disseram.

A ideia de oferecer “estações de energia” na Lua não é nova. No ano passado, um grupo de cientistas da Universidade de Harvard analisou a possibilidade de construir torres com quase 20 km de altura na Lua, que elevariam painéis solares para a produção de energia. Enquanto isso, a NASA e o Departamento de Energia dos EUA investigam sistemas conceituais de produção de energia em solo lunar, com base na fissão nuclear.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: