Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.511,85
    -9,56 (-0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Startup californiana recebe primeira liberação para comercializar carne artificial

A startup americana Upside Foods, que cultiva células animais para produzir carne sem abatê-los, recebeu na quarta-feira luz verde para seus métodos de fabricação pela agência de segurança alimentar dos EUA, a FDA.

“Começamos a Upside em um mundo cheio de céticos e hoje, mais uma vez, fizemos história como a primeira empresa a receber uma carta inquestionável do FDA para carne cultivada em laboratório”, disse Uma Valeti, cofundadora e diretora-geral, em um comunicado da empresa californiana.

"Este marco é um grande passo para uma nova era na produção de carne, e estou entusiasmada com o fato de que os consumidores nos Estados Unidos logo terão a oportunidade de comer carne deliciosa cultivada diretamente de células animais”, acrescentou.

Na prática, a Upside Foods ainda tem muitos obstáculos a superar, incluindo inspeções do Departamento de Agricultura dos EUA, antes de poder vender seus produtos.

A FDA avaliou "cuidadosamente" os dados e informações fornecidos pela empresa sobre seus métodos e "não tem mais dúvidas nesta fase sobre suas conclusões em termos de segurança", disse a reguladora de alimentos em seu próprio comunicado à imprensa.

Mas "esta consulta não constitui um processo de aprovação", especificou a agência.

Várias startups tem como objetivo produzir e comercializar a chamada carne de "laboratório" ou artificial, para permitir que os humanos consumam proteína animal com menos impacto no meio ambiente e sem sofrimento animal.

Esses produtos diferem dos substitutos à base de plantas, como "bifes" à base de soja e outros ingredientes que imitam a textura e o sabor da carne, mas não contêm proteína animal.

A startup Eat Just, concorrente da Upside Foods, foi a primeira a receber liberação para comercializar carne artificial, em Cingapura, em 2020.

Em maio passado, fechou acordo com uma fabricante de equipamentos para produzir frango e carne bovina em grande escala.

Enquanto esperam poder servir carne de laboratório aos humanos, outras empresas querem conquistar o mercado para alimentar animais de estimação, teoricamente menos difícil de agradar.

A Bond Pet Foods, uma startup do Colorado, está criando proteína animal a partir de um processo de fermentação microbiana para alimentar cães sem matar vacas ou galinhas.

juj/kar/ad/mar/jc