Mercado abrirá em 2 h 51 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,95
    +0,57 (+0,90%)
     
  • OURO

    1.769,20
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    55.168,79
    -1.805,61 (-3,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.244,80
    -54,15 (-4,17%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    6.940,42
    -59,66 (-0,85%)
     
  • HANG SENG

    29.135,73
    +29,58 (+0,10%)
     
  • NIKKEI

    29.100,38
    -584,99 (-1,97%)
     
  • NASDAQ

    13.836,75
    -60,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6850
    +0,0093 (+0,14%)
     

Startup brasileira fatura R$ 40 milhões com motos elétricas

Redação Finanças
·2 minuto de leitura
Voltz vem tendo sucesso desde sua criação - Foto: Divulgação/Voltz
Voltz vem tendo sucesso desde sua criação - Foto: Divulgação/Voltz
  • Cada moto custa cerca de R$ 11 mil

  • Modelo básico tem 50 quilômetros de autonomia

  • Empresa espera crescer ainda mais em 2021

Fundada em 2017, a startup brasileira Voltz tem feito sucesso vendendo motocicletas elétricas. Com parcerias com empresas de entrega como o iFood, que recentemente anunciou um plano para tornar suas operações mais sustentáveis, a startup faturou R$ 42 milhões e vendeu mais de 3 mil veículos 100% elétricos em 2020.

Cada unidade sai por cerca de R$ 11,5 mil e R$ 20,5 mil. As baterias das motos podem ser recarregadas em uma tomada doméstica, e a empresa também vende baterias extra que podem ser levadas pelos motociclistas e trocadas para evitar o risco de ficar sem bateria no meio da rua.

Leia também:

O primeiro modelo da marca chama-se EV1 e tem 50 quilômetros de autonomia, atingindo até 60 quilômetros por hora. Com um motor de 1.800 watts, ele se aproxima, em comparação com as concorrentes à combustão, de um modelo com 50 cilindradas.

O desenvolvimento e a montagem do produto são feitos no Brasil e boa parte das 116 peças são importadas da China. Segundo o fundador da empresa, Renato Villar, são feitas mais de 1200 simulações de financiamentos por mês para a compra das motos.

Parceria com Ifood

O iFood disse na última quinta-feira (25) que vai investir em novas soluções de sustentabilidade para os próximos cinco anos. Um dos compromissos assumidos é aumentar o uso de veículos elétricos entre os entregadores, chegando a pelo menos 50% das entregas feitas por modelos não poluentes até 2025.

Por isso, a foodtech firmou parceria com a montadora Voltz, que dará início a um projeto piloto em abril. Nesta etapa, 30 motocicletas eletrificadas serão testadas por entregadores, permitindo a eles conhecer melhor a tecnologia.

Voltz estabeleceu parceria com iFood (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
Voltz estabeleceu parceria com iFood (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)

Segundo a companhia, a expectativa é chegar a 10 mil motos elétricas nos próximos 12 meses, aproveitando a expansão da capacidade de produção da parceira, que abrirá uma fábrica no polo industrial de Manaus, onde conseguirá fazer 100 mil unidades até o final de 2022.