Mercado abrirá em 2 h 50 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,95
    +0,57 (+0,90%)
     
  • OURO

    1.768,90
    -1,70 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    55.160,58
    -1.766,25 (-3,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.245,22
    -53,74 (-4,14%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    6.942,01
    -58,07 (-0,83%)
     
  • HANG SENG

    29.135,73
    +29,58 (+0,10%)
     
  • NIKKEI

    29.100,38
    -584,99 (-1,97%)
     
  • NASDAQ

    13.849,50
    -47,75 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6850
    +0,0093 (+0,14%)
     

Starship: vazamento de metano causou a explosão do protótipo SN11

Danielle Cassita
·3 minuto de leitura

No final de março, a SpaceX realizou mais um teste de alta altitude com um protótipo do foguete Starship. O veículo testado desta vez foi o Serial No. 11 (SN11), que voou com sucesso, mas acabou explodindo durante a complexa etapa de pouso. Agora, de acordo com alguns tuítes publicados por Elon Musk, CEO da empresa, o problema ocorreu em função de um vazamento “relativamente pequeno” de metano.

O veículo de testes SN11 foi lançado nas instalações de desenvolvimento da SpaceX, para um teste de altitude de 10 km. Três motores Raptor, cada um deles alimentado por propelentes de metano resfriado e oxigênio líquido, impulsionaram o foguete com mais de um milhão de libras de empuxo. Depois de atravessar uma camada densa de neblina, o foguete desativou cada um de seus motores sequencialmente, conforme o planejado.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Durante a descida, os flaps aerodinâmicos ajudaram o veículo a manter estabilidade enquanto os motores seriam reativados para retomar a posição vertical para o pouso. Devido à neblina intensa no dia, não foi possível ver com clareza o que aconteceu, mas uma das câmeras da SpaceX congelou as imagens durante a reativação dos motores para o pouso, enquanto outra mostrou detritos caindo do céu.

Segundo Musk, houve um pequeno vazamento de metano, que levou a um incêndio em um dos motores Raptor. Com isso, uma parte do sistema foi “frita”, de modo que o motor foi ativado de forma inadequada na bomba de metano durante o início da queima de pouso: “isso será consertado em seis dias, até domingo”, comentou em outro tuíte publicado nesta segunda-feira (5). Ele explicou também que a fase de ascensão, a transição para a posição horizontal e o controle durante a descida em queda livre mostraram bons resultados.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Esta foi a quarta vez que a SpaceX teve desfechos explosivos nos testes de alta altitude com seus protótipos do Starship: em dezembro, o protótipo SN8 voou com sucesso, mas explodiu ao pousar. Já em fevereiro, o veículo SN9 também alcançou a altitude desejada durante o teste, e explodiu em uma grande bola de fogo ao pousar. Finalmente, o SN10 conseguiu realizar o voo e o pouso, mas explodiu alguns minutos após tocar a base. Vale lembrar, contudo, que os acidentes ocorridos durante os testes são normais, já que esta etapa existe para a empresa identificar onde há erros, para então corrigi-los e avançar para a versão final do veículo.

Agora, o próximo veículo a ser testado será o SN15 — a SpaceX pulou os protótipos SN12, SN13 e SN14 para aproveitar uma configuração atualizada que será usada direto no próximo veículo: “ele tem centenas de melhorias de design na estrutura, no software e no motor”, disse Musk em outro tuíte. “Com sorte, uma dessas melhorias resolve o problema do SN11”, finalizou. O SN15 deverá ser levado em breve para o local de testes e, quando estiver na plataforma de lançamentos, deve passar por verificações diversas antes de voar.

A SpaceX vem trabalhando no veículo Starship para que, futuramente, possa transportar cargas e até 100 pessoas para o espaço. A versão final deverá ser equipada com 28 motores Raptor no primeiro estágio do foguete, enquanto o estágio superior deverá ter seis deles. De acordo com a empresa, será possível transportar mais de 100 toneladas métricas para a órbita baixa da Terra. Então, depois que estiver em órbita, o Starship receberá um novo suprimento de propelente, para seguir e transportar suas cargas — e passageiros — para destinos como a Lua e Marte.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: