Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,18
    +0,47 (+0,61%)
     
  • OURO

    1.638,80
    +5,40 (+0,33%)
     
  • BTC-USD

    19.431,43
    +606,90 (+3,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    446,27
    +13,17 (+3,04%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    26.620,13
    +188,58 (+0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.411,00
    +94,75 (+0,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1666
    -0,0128 (-0,25%)
     

Starlink, de Elon Musk, começará operações na Amazônia em setembro

Satélites da Starlink ficam localizados próximos à Terra, garantindo maior velocidade de conexão (Michael Gonzalez/Getty Images)
Satélites da Starlink ficam localizados próximos à Terra, garantindo maior velocidade de conexão (Michael Gonzalez/Getty Images)
  • Satélites da SpaceX são capazes de entregar internet de alta velocidade;

  • Ideia do projeto é levar internet à escolas rurais da Amazônia;

  • Parceria foi estabelecida durante encontro do bilionário com governo brasileiro.

A empresa de internet via satélite Starlink, subsidiária da SpaceX, empresa de lançamentos espaciais de Elon Musk, deve começar suas operações na Amazônia a partir de setembro, afirmou o ministro das Comunicações, Fábio Faria. A rede de satélites irá fornecer conectividade de alta velocidade às escolas rurais na Amazônia.

"Trata-se de um projeto piloto, que deverá funcionar por meio de doações realizadas pela SpaceX", diz Faria. Deverá ser feita uma licitação de empresas interessadas em levar internet à Amazônia. "Até dezembro, todas as escolas da Amazônia deverão ter sinal de internet", afirma o ministro.

O projeto foi posto para frente em maio, durante reunião do bilionário com o governo brasileiro, como forma de ajudar a população da região. Não se pode negar também que há um aspecto publicitário muito grande para a empresa de Elon Musk, uma vez que a floresta amazônica é conhecida por sua difícil penetrabilidade.

O Ministro Fábio Faria ainda afirmou que a presença dos satélites ajudará a monitorar o controle de incêndios e desmatamentos ilegais na floresta.

A internet via satélite da Starlink difere das demais empresas por conta da altura em órbita de seus equipamentos. Enquanto as demais empresas trabalham com satélites a 35 mil quilômetros de altitude, os satélites da empresa de Musk estão a apenas 550 quilômetros de altitude, garantindo a entrega de maior velocidade para os usuários.

A Amazon anunciou em abril que irá entrar no mercado de internet via satélites, se tornando uma competidora direta da SpaceX. A empresa de Bezos já tem programados cerca de 80 lançamentos, que colocarão 3.200 satélites em órbita.