Mercado abrirá em 9 h 4 min
  • BOVESPA

    118.811,74
    +1.141,74 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.352,18
    -275,52 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,02
    +0,32 (+0,54%)
     
  • OURO

    1.732,60
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    60.519,89
    +778,40 (+1,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.294,22
    -0,36 (-0,03%)
     
  • S&P500

    4.127,99
    -0,81 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    33.745,40
    -55,20 (-0,16%)
     
  • FTSE

    6.889,12
    -26,63 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.774,46
    +321,18 (+1,13%)
     
  • NIKKEI

    29.889,52
    +350,79 (+1,19%)
     
  • NASDAQ

    13.814,50
    +5,75 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8192
    -0,0113 (-0,17%)
     

Stalkear alguém (dentro ou fora da web) agora é crime, decide Senado

Ramon de Souza
·2 minuto de leitura

O Plenário do Senado Federal aprovou em unanimidade, na última terça-feira (9), o Projeto de Lei n° 1.369/2019, de autoria da senadora Leila Barros (PSB/DF), que tipifica como crime o ato de “stalkear” alguém. A palavra, que é um aportuguesamento do verbo “to stalk” ficou famosa sobretudo no âmbito digital, pode ser traduzida como “perseguição praticada por meios físicos ou virtuais que interfere na liberdade e na privacidade da vítima”.

O texto aprovado é um substitutivo ao original criado pela Câmara dos Deputados e que agravou ainda mais as penalidades inicialmente propostas por Leila — ela pretendia punir os stalkers com detenção de seis meses a dois anos em regime aberto ou semiaberto (podendo ser convertida em multa, caso o réu assim preferisse). Com a alteração, os infratores podem pegar de seis meses a dois anos de reclusão (regime fechado) e multa.

As mudanças propostas pela Câmara — e bem-recebidas no Senado — não param por aí. Os deputados também previram casos que poderão agravar a pena em 50%: se o crime for cometido contra crianças, adolescentes ou idosos; contra mulheres por pura razão de seu gênero; mediante concurso de duas ou mais pessoas ou com emprego de arma. Qualquer outro tipo de violência será somada à pena final.

É importante ressaltar que o PL n° 1.369/2019 não cria uma nova lei — ele apenas adiciona um novo artigo (art. 147-A) no Código Penal (Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940). Ele também revoga o artigo 65 da Lei de Contravenções Penais (Decreto-Lei 3.688, de 1941) que previa o crime de perturbação da tranquilidade alheia, punível com prisão de 15 dias a dois meses e multa. Agora, tudo o que existe é o crime de stalking.

<em>Imagem: Divulgação/Agência Senado</em>
Imagem: Divulgação/Agência Senado

Relator do texto, o senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL) destacou a importância da proposta perante as preocupantes estatísticas de violência contra a mulher: segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o quinto país que mais comete feminicídio no mundo, sendo que 76% de tais crimes são praticados por alguém próximo da vítima.

“Além disso, estamos vivendo um momento de pandemia em que aumentaram os casos de violência contra a mulher dentro da sua residência”, finaliza Rodrigo. O PL n° 1.369/2019 agora segue para sanção presidencial, podendo ser sancionado ou vetado pelo presidente Jair Bolsonaro dentro do prazo legal de 15 dias.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: