Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.208,83
    +190,55 (+0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

SsangYong entra com pedido de concordata ao não conseguir pagar dívidas

br.info@motor1.com (Dyogo Fagundes)
·2 minuto de leitura
Ssangyong launches two-day test drives
Ssangyong launches two-day test drives

Montadora contraiu empréstimos de 60 bilhões de won com três grandes bancos estrangeiros

A fabricante SsangYong entrou com pedido de concordata na Coreia do Sul depois de não conseguir honrar empréstimos acumulados de aproximadamente 60 bilhões de won (quase R$ 350 milhões, numa conversão direta). O procedimento é consequência da falta de acordo com credores para estabelecimento de novos prazos para pagamento da dívida, que deveria ter sido honrada desde o dia 14 deste mês.

A marca solicitou junto à justiça a execução de um plano de reestruturação autônomo, que lhe dará até três meses para renegociar dívidas com credores antes de uma decisão definitiva do tribunal. Os empréstimos foram contraídos junto a três grandes bancos estrangeiros: 30 bilhões de won ao Bank of America, 20 bilhões de won ao JPMorgan Chase & Co e 10 bilhões de won ao BNP Paribas.

A situação financeira da marca é delicada há anos e acabou ficando ainda mais conturbada nos últimos meses em razão da pandemia de COVID-19. De janeiro a novembro, as vendas caíram 20% em relação ao mesmo período de 2019, com apenas 96.825 carros entregues. No primeiro trimestre de 2020, o prejuízo líquido foi de 193,5 bilhões de won (quase R$ 900 milhões numa conversão simples).

Leia também:

Nos últimos 11 anos, esta é a segunda vez que a SsangYong entra com pedido de falência. Da última vez, em 2010, acabou sendo salva pela indiana Mahindra, que adquiriu 70% da empresa por aproximadamente US$ 460 milhões (participação que atualmente é de 74,65%). No entanto, os indianos pararam de investir e parecem não ter interesse em salvar a marca. Não por acaso, estão há meses procurado abertamente um comprador.

SsangYong Actyon Sports
SsangYong Actyon Sports

SsangYong no Brasil

Por aqui, a trajetória da empresa sempre foi marcada por idas e vindas. Teve oficialmente duas passagens pelo país, a primeira entre 1995 e 1998 e a segunda entre os anos de 2001 e 2015. Em 2018, tentou voltar ao mercado pela terceira vez com os modelos Tivoli, Korando e Actyon Sports, mas os planos acabaram não vingando.

Fotos: Divulgação