Mercado abrirá em 6 h 59 min
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,57
    +1,00 (+0,91%)
     
  • OURO

    1.826,20
    +1,40 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    20.767,97
    -421,84 (-1,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    451,54
    -10,26 (-2,22%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.120,32
    -109,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    26.986,12
    +114,85 (+0,43%)
     
  • NASDAQ

    12.053,00
    +12,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5405
    -0,0036 (-0,06%)
     

Spray de ocitocina é usado para o bem-estar, mas sem comprovação de eficácia

Muitas pessoas procuram melhorar o humor e ter sensações de bem-estar usando um spray nasal de ocitocina, o "hormônio do amor" — sem, no entanto, ler a bula ou buscar saber se o medicamento funciona para esses propósitos. Spoiler: não funciona, ou melhor, não há evidências científicas de que o produto tenha efeitos positivos no humor ou aumente o prazer sexual.

Normalmente produzido no hipotálamo, o hormônio é responsável por promover contrações uterinas, atuando no trabalho de parto e pós-parto para diminuir sangramentos após o nascimento e aumentar a produção de leite materno, já que gera pequenas contrações nos seios. Outras funções da ocitocina estão no metabolismo ósseo, no mecanismo do orgasmo, relações sociais e diminuição do medo.

A ocitocina está presente no momento do parto, e caso não ocorra naturalmente, é injetada intravenosamente (Imagem: DCStudio/Freepik)
A ocitocina está presente no momento do parto, e caso não ocorra naturalmente, é injetada intravenosamente (Imagem: DCStudio/Freepik)

Prazer artificial?

A ocitocina ganhou uma versão sintética devido ao seu papel importante no parto e aleitamento, sendo aplicada intravenosamente quando um trabalho de parto não progride. Por sua relação com emoções positivas e o conhecimento de que é liberada quando estamos perto de pessoas amadas, foi apelidada de "hormônio do amor", trabalhando junto à serotonina, dopamina e endorfina e diminuindo o cortisol, causa estresse e ansiedade.

Também há a versão em spray da substância, utilizada para ajudar na amamentação, mas que tem sido utilizada indiscriminadamente por pacientes procurando se sentir melhor. A ciência testou esses casos: na Universidade de Viena, 30 casais nos quais a parceira tinha transtorno de desejo sexual hipoativo (ausência ou deficiência de libido) utilizaram o produto por 5 meses. Em comparação com o placebo, o efeito foi o mesmo — ou seja, a ocitocina não ajudou.

Para estímulos psicológicos ou sociais, o efeito registrado foi o mesmo. Em 2014, cientistas experimentou o potencial da droga de diminuir estímulos de medo em 62 voluntários: a conclusão foi que ele existe, mas que mais estudos são necessários para bater o martelo no uso.

Outro momento importante da ocitocina no corpo é durante a amamentação: quando há menos sucção pelo bebê ou o mamilo é invertido, o spray de ocitocina pode ajudar (Imagem: LightFieldStudios/Envato Elements)
Outro momento importante da substância no corpo é durante a amamentação: quando há menos sucção pelo bebê ou o mamilo é invertido, o spray de ocitocina pode ajudar (Imagem: LightFieldStudios/Envato Elements)

Com a maior parte dos estudos tendo esse resultado, a conclusão de uma revisão bibliográfica recente sobre o medicamento, feita pela Universidade de La Trobe estudando 17 trabalhos com 466 voluntários, diz serem necessários ensaios clínicos randomizados melhor projetados, sendo difícil concluir qualquer coisa definitiva sobre a ocitocina.

Especialistas não recomendam o uso do remédio para se sentir melhor, já que há circulação endógena do hormônio no corpo — ou seja, o produzimos naturalmente. A bula, inclusive, não indica nenhum benefício nesse sentido, e ainda alerta para efeitos colaterais: pacientes podem acabar irritando a cavidade nasal com o uso excessivo.

O uso indiscriminado pode causar, ainda, dores de cabeça, taquicardia, náuseas, vômitos, cólicas uterinas e até mesmo distúrbios gastrointestinais. É necessário aspirar muito do produto para chegar a esse ponto, mas há casos onde o paciente aumenta a dose por não sentir os efeitos que deseja até acabar sofrendo dos efeitos colaterais.

A recomendação dos médicos? Procurar ajuda profissional no caso de qualquer distúrbio mental ou sexual, nunca recorrendo à automedicação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos