Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.473,56
    +4,37 (+0,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Spotify se une a big techs e anuncia demissão em massa

Demissões do Spotify atingirá 6% do seu quadro de funcionários (AP Photo/Patrick Semansky, File)
Demissões do Spotify atingirá 6% do seu quadro de funcionários (AP Photo/Patrick Semansky, File)
  • Demissões atingirá 6% dos trabalhadores da empresa sueca;

  • CEO do Spotify, Daniel Ek, assumiu responsabilidade pelas demissões;

  • Setor da tecnologia passa por um grande momento de demissões e reestruturações.

O Spotify, maior plataforma de streaming de música do mundo, anunciou nesta segunda-feira (23) que irá realizar um corte de 6% de sua força de trabalho global. O número representa cerca de 588 dos 9.808 funcionários da empresa.

Como outras gigantes da tecnologia, como a Amazon, Microsoft, Google e Meta, que anunciaram demissões em massa recentemente, o Spotify alega que precisa encontrar formas de reduzir custos operacionais e melhorar a eficiência da plataforma.

Em seu anúncio, no blog oficial da empresa, o CEO Daniel Ek afirmou que essa é uma "decisão díficil, mas necessária". Em sua publicação, Ek assumiu a responsabilidade pela demissões. “Nas próximas horas, conversas individuais ocorrerão com todos os funcionários afetados”, escreveu.

A decisão de conversar individualmente com os afetados vem após intensas críticas a outras empresas de tecnologia e suas demissões, que teriam sido feitas sem aviso com os funcionários descobrindo a perda dos empregos ao tentar entrar no sistema interno da companhia.

Ek afirmou também que a plataforma de streaming vem tentando controlar os gastos nos últimos meses, mas isso "simplesmente não foi suficiente". O CEO afirmou, assim como os demais, que acreditou ser capaz de sustentar o crescimento acelerado da época da pandemia, mas foi "muito ambicioso em investir antes do crescimento de nossa receita".

Um documento protocolado na Comissão de Valores Mobiliários americana estima que os gastos com rescisões e encargos trabalhistas cheguem a US$ 38 milhões a US$ 49 milhões (R$ 197,5 milhões a R$ 254 milhões).

Além das demissões, a diretora de conteúdo e publicidade, Dawn Ostroff, também está para deixar a plataforma. Ostroff permanecerá como conselheira sênior durante a transição, na qual Alex Norström, atual diretor de negócios freemium, deverá assumir a posição.