Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.256,36
    -3.411,42 (-2,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.310,27
    -841,11 (-1,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,25 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.769,10
    -6,30 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    48.218,73
    -81,25 (-0,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    963,35
    -31,31 (-3,15%)
     
  • S&P500

    3.829,34
    -96,09 (-2,45%)
     
  • DOW JONES

    31.402,01
    -559,85 (-1,75%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.788,00
    -514,00 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7389
    +0,1684 (+2,56%)
     

Spotify quer identificar detalhes da sua voz para sugerir músicas e até anúncios

Ramon de Souza
·1 minuto de leitura

O Spotify está cogitando lançar uma nova tecnologia que, se de fato chegar ao mercado, tem tudo para causar uma polêmica das grandes. Trata-se de uma patente que foi registrada em 2018 — mas aprovada só agora, no dia 12 de janeiro de 2021 — e que propõe usar reconhecimento de voz para “entender” melhor o usuário e sugerir músicas, podcasts e até anúncios específicos para as suas necessidades.

Pois é. O documento afirma que, usando tal tecnologia, a plataforma de streaming seria capaz de extrair “entonação, estresse, ritmo e outros aspectos da fala de um usuário para determinar seu estado emocional, gênero, idade e sotaques”. Na teoria, o algoritmo conseguiria até mesmo prestar atenção aos sons ambientes para determinar se o internauta está sozinho ou acompanhado de outras pessoas.

Obviamente, por mais que o Spotify afirme que o objetivo primário é sugerir músicas e podcasts relevantes à personalidade e/ou estado emocional do utilizador, tal capacidade de entender o “consumidor final” com base em sua voz valeria ouro no mercado da publicidade online. A patente não especifica, porém, se tal coleta seria arbitrária ou se cada usuário precisaria conceder explicitamente a autorização para tal monitoramento.

Questionada pelo portal Pitchfork, a companhia afirmou que “já entrou com pedidos de patentes para centenas de invenções e regularmente apresentamos novos pedidos. Algumas dessas patentes se tornam parte de produtos futuros, enquanto outras não. Nossa ambição é criar a melhor experiência de áudio que existe, mas não temos novidades para compartilhar no momento”.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: