Mercado abrirá em 7 h 43 min
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,34
    +0,04 (+0,05%)
     
  • OURO

    1.750,50
    +0,70 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    44.193,39
    +80,58 (+0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.102,04
    -6,88 (-0,62%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.486,27
    -24,71 (-0,10%)
     
  • NIKKEI

    30.217,28
    +577,88 (+1,95%)
     
  • NASDAQ

    15.285,50
    -18,00 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2233
    -0,0017 (-0,03%)
     

Spotify Ads é boa notícia, desafio, porém, é não “programatizar” criadores

·4 minuto de leitura

Se tem um segmento dentro da indústria de conteúdo que esteve, e ainda está nos holofotes, nos últimos anos é o de áudio, com o protagonismo do podcast. Atrai criadores, empresas, plataformas e, sobretudo, alguns milhões. Somente nos Estados Unidos, a receita de mídia com áudio no ano passado foi de quase US$ 1 bilhão. No Brasil, essa indústria cresceu, se estabeleceu e procurou, principalmente, se estruturar do ponto de vista de monetização. Nesta semana, a notícia de que o Spotify traz ao Brasil sua plataforma de anúncios marca uma nova fase, por ser o maior player e pela possibilidade que isso gera. O número de podcasts no Spotify cresceu de 185 mil, no final de 2018, para 700 mil em 2019, com mais de 50 milhões de usuários consumindo essa mídia.

A notícia é vista de forma positiva para o mercado, mas com ressalvas. Cris Dias, sócio fundador da Ampère, empresa de áudio criativo, reforça que a valorização do podcast como ferramenta de construção de marca é muito boa para os produtores. “Tem muita gente legal fazendo podcast que não consegue ter equipe de vendas, mídia kit e outros elementos de negócios. Neste aspecto, vejo o Spotify Ads como algo positivo. É necessário, porém, relembrar tudo que já aprendemos com blogs e com o YouTube sobre mídia programática. É sim uma democratização de acesso ao dinheiro, mas é importante que os anunciantes entendam que podcast é uma mídia diferente com tempos e métricas específicas, colocá-lo na mesma planilha e igualá-lo a qualquer outro tipo de mídia programática é um problema”, alerta Dias.

Mel Lisboa e Seu Jorge, as vozes e interpretações de Paciente 63, podcast original recém-lançado pelo Spotify (Crédito: Divulgação)

Ao anunciar a plataforma no Brasil, Jon Hales, head de vendas do Spotify para América Latina, ressaltou que o objetivo é “aprimorar a publicidade em podcasts trazendo insights para as marcas sobre os públicos e as soluções que chamaram a atenção dos usuários.” A Chevrolet estreia o formato no Brasil, por meio de uma parceria liderada pela Isobar, da Dentsu Company. “A Chevrolet vem digitalizando a sua forma de interagir e se comunicar com o consumidor nos mais diversos canais. O Spotify é a mais nova ferramenta nesta nossa jornada estratégica e trouxe dados totalmente novos para a publicidade em podcasts “, afirma Hermann Mahnke, diretor-executivo de Marketing GM América do Sul.

Rodrigo Tigre, Country Manager da Cisneros Interactive, fruto da integração no Brasil da Audio.ad com a Justmob, enxerga que o movimento ajuda a popularizar ainda mais o formato e facilitar a parceria com marcas. A Audio.ad utiliza a inserção de anúncios em áudio desde 2019. “Abre um grande espaço para marcas começarem a pensar o áudio estrategicamente. Sempre digo que é importante os grandes anunciantes começarem ou terem uma estratégia para o ambiente do áudio e se utilizarem de spots, anúncios em podcasts e anúncios dinâmicos.” De acordo com o Ibope Mídia, o Brasil é o segundo mercado em consumo de podcast atrás dos Estados Unidos com 16 milhões de ouvintes diários.

AUTOMATIZADO, PORÉM ORIGINAL

No caso do Spotify Ads, os anúncios em podcasts estão, inicialmente, disponíveis nos programas originais e exclusivos no Brasil, incluindo Café da Manhã, É Nóia Minha? e Calcinha Larga. “O Spotify vem investindo bastante em conteúdo original, inclusive produzindo conteúdos em português super relevantes, como por exemplo o Paciente 63, gravado com a Mel Lisboa e o Seu Jorge. Era natural que lançassem isso em algum momento. Repito, fico feliz que mais um player está dando visibilidade para o formato e trazendo mais marcas para experimentar o áudio, fazendo dele uma estratégia para o anunciante”, sinala.

Mano a Mano, outro projeto especial, desenvolvido em parceria com a agência Gana (Crédito: Divulgação)

Marcelo Namura, sócio e diretor de mídia da agência Bold, enxerga que a plataforma anunciada valida o consumo do formato como hábito do brasileiro. “Porém, vale lembrar que anunciar em podcasts não é algo novo, marcas já aparecem com frequência em podcasts através de acordos e patrocínios diretamente com os criadores dos programas. O que muda com a nova plataforma, além da facilidade para anunciar, é a tecnologia SAI (Streaming Ad Insertion) que passa a fazer uma distribuição mais inteligente conforme audiência do anunciante e traz métricas mais acuradas para mensurar performance”, pontua.

O post Spotify Ads é boa notícia, desafio, porém, é não “programatizar” criadores apareceu primeiro em Fast Company Brasil | O Futuro dos Negócios.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos