Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.376,35
    -737,80 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.006,11
    +197,55 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,49
    +1,78 (+2,32%)
     
  • OURO

    1.636,80
    +3,40 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    19.022,97
    -130,59 (-0,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    436,99
    -22,15 (-4,82%)
     
  • S&P500

    3.647,29
    -7,75 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    29.134,99
    -125,82 (-0,43%)
     
  • FTSE

    6.984,59
    -36,36 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.340,25
    +24,00 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1624
    -0,0170 (-0,33%)
     

SpaceX testa internet Starlink na Antártida

O serviço de internet dos satélites Starlink, da SpaceX, já chegou à Estação McMurdo, uma estação de pesquisa no litoral da Antártida. A novidade foi anunciada em um tuíte da Fundação Nacional de Pesquisa dos Estados Unidos (NSF) publicado nesta semana, que mostra a antena retangular receptora, instalada para testes.

Na publicação, a NSF descreveu que a nova conexão faz parte de testes de um serviço polar com um novo terminal de usuário, já instalado na estação. Com o novo serviço, a largura da banda será aumentada, ampliando também a conectividade para o trabalho científico conduzido na estação.

A SpaceX também comemorou o marco. “A Starlink está agora em todos os sete continentes! Em um lugar tão remoto quanto a Antártida, esta capacidade é proporcionada pela rede de lasers Starlink”, escreveram em outro tuíte, também publicado na quarta-feira. Os lasers permitem a conexão de alta velocidade entre satélites distantes, e o recurso está em testes na SpaceX.

Por enquanto, a empresa vem experimentando os lasers com capacidade limitada, mas no futuro planeja que os satélites Starlink formem uma espécie de rede integrada e capaz de oferecer conexão mesmo a lugares distantes, como a Antártida. As conexões a laser devem ser mais utilizadas nas próximas versões dos satélites, ajudando a aumentar a velocidade e resiliência da rede.

A SpaceX já lançou mais de 3 mil satélites para a órbita baixa da Terra, e tem autorização para lançar até 12 mil deles; inicialmente, a empresa estimava que mais de 40 mil satélites seriam necessários para fornecer internet aos seus clientes, mas parece que um número menor talvez seja suficiente. No ano que vem, a SpaceX deverá começar a lançar a 2º versão dos satélites. Além de serem maiores e terem mais capacidade que a geração atual, eles deverão transmitir sinais diretamente a smartphones.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: