Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,45
    -0,52 (-0,72%)
     
  • OURO

    1.749,70
    -1,70 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    47.171,03
    -793,83 (-1,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.179,04
    -46,49 (-3,79%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.202,67
    -718,09 (-2,88%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.290,75
    -35,25 (-0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1892
    -0,0102 (-0,16%)
     

SpaceX já enviou 100 mil terminais Starlink a usuários em alguns países

·2 minuto de leitura

Em 2019, a SpaceX fez os primeiros lançamentos de satélites da rede Starlink, compondo uma megaconstelação que será capaz de fornecer conectividade de alta velocidade e baixa latência a usuários em qualquer lugar do mundo. A expansão da rede segue a todo vapor e, em alguns tuítes publicados nesta segunda-feira (23), Elon Musk, CEO da empresa, comentou que já foram enviados 100.000 terminais aos clientes do serviço — em localidades onde a rede Starlink já tem permissão para operar, claro.

Além dos milhares de terminais, Musk ressaltou que o serviço já atende países como Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Holanda, Portugal, entre outros. Segundo ele, as solicitações de licença estão pendentes em vários outros países (como é o caso do Brasil, que aguarda o "ok" da Anatel), mas a expectativa da SpaceX é de atender todas as regiões do planeta em breve. No momento, o serviço está funcionando em fase beta; para utilizá-lo, os clientes devem desembolsar US$ 499, valor que cobre os custos do kit com dispositivos necessários para a conexão.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Se considerarmos que o programa beta foi iniciado no ano passado para atender alguns usuários, apenas um ano após os primeiros lançamentos, o marco alcançado fica ainda mais impressionante — tanto que a SpaceX já chega a mais de 1.700 satélites levados à órbita até o momento e, junto dos 100.000 terminais, já soma mais de meio milhão de pedidos adicionais de clientes interessados em usar a conexão. A empresa adotou um ritmo agressivo para expandir sua rede e deverá continuar assim, já que espera acrescentar cerca de 30.000 satélites à constelação na próxima geração do serviço.

Para isso, a SpaceX submeteu uma solicitação à Federal Communication Commission (FAA), a agência reguladora de telecomunicações nos Estados Unidos, em que propôs duas outras configurações para a próxima geração do sistema: uma iria usar o foguete Starship, com capacidade massiva para cargas úteis, e outra, usará o Falcon 9. “A SpaceX encontrou formas de avançar as capacidades avançadas do Starship, o novo veículo de lançamentos, que aumentou a capacidade de entregar mais massa à órbita rápida e eficientemente e, ao combinar a capacidade de reusabilidade do estágio superior, mais lançamentos podem ser feitos”, argumentaram no documento.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos