Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.690,17
    +1.506,22 (+1,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.004,19
    -373,28 (-0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,96
    +0,13 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.689,70
    -11,00 (-0,65%)
     
  • BTC-USD

    46.731,54
    -4.178,47 (-8,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    933,85
    -53,36 (-5,41%)
     
  • S&P500

    3.768,47
    -51,25 (-1,34%)
     
  • DOW JONES

    30.924,14
    -345,95 (-1,11%)
     
  • FTSE

    6.650,88
    -24,59 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    28.823,45
    -413,34 (-1,41%)
     
  • NIKKEI

    28.446,22
    -483,89 (-1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.358,00
    -97,00 (-0,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7821
    -0,0038 (-0,06%)
     

SpaceX abre Starlink beta a mais usuários nos países em que a rede já funciona

Danielle Cassita
·2 minuto de leitura

Nesta semana, a SpaceX liberou uma oferta para o público realizar pedidos antecipados dos serviços de internet Starlink. A novidade acontece durante a expansão dos testes beta para uma quantidade limitada de usuários, de modo que os interessados que estiverem nas áreas de cobertura podem pagar uma taxa de U$ 99 para fazer o pedido de usar a rede, que até então estava restrita apenas a convidados.

Os interessados precisaram acessar o site do projeto Starlink e inserir um e-mail e endereço de serviço; depois, o sistema exibe uma mensagem sobre os prazos relacionados à cobertura da internet na região do usuário, que pode ser fornecida entre 2021 e 2022 de acordo com a localidade. A taxa, que é reembolsável, deve ser paga além dos U$ 499 dos custos gerais do kit, que incluem a antena, um roteador Wi-Fi, uma fonte de energia e um tripé, além do valor mensal do serviço.

O kit que os usuários recebem para utilizar o serviço (Imagem: Reprodução/SpaceX)
O kit que os usuários recebem para utilizar o serviço (Imagem: Reprodução/SpaceX)

A empresa estabeleceu limites para a quantidade de pessoas que pode se cadastrar em cada área, decisão que foi tomada possivelmente para garantir que a rede de internet terá capacidade suficiente para todos os clientes nesta fase. A oferta surgiu no momento em que a SpaceX alcançou um total de aproximadamente 10 mil usuários convidados na fase beta, iniciada em 2020 nos Estados Unidos e Canadá.

Contudo, uma mensagem no site informa que o depósito não necessariamente garante que o kit Starlink e os serviços de internet serão fornecidos, porque a ideia é, na verdade, fazer uma reserva para que possíveis clientes tenham prioridade quando os satélites ficarem disponíveis na região — uma estratégia parecida com a dos carros Tesla, na qual os interessados podem fazer pedidos antecipados dos carros, mesmo sem estarem totalmente liberados.

Hoje, a empresa tem aprovação regulatória para operar o serviço em regiões dos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, e pretende expandir o serviço para o mundo todo aos poucos. Por enquanto, os usuários podem perceber variações de 50 Mbps a 150 Mbps na velocidade da internet, além de possíveis oscilações de latência e períodos sem conexão. Então, conforme o serviço for disponibilizado para mais pessoas, é esperado que a conexão fique mais rápida e mais estável. Com mais de mil satélites lançados à órbita baixa da Terra, a ideia é que a receita gerada pelos satélites Starlink seja direcionada para o desenvolvimento do foguete reutilizável Starship.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: