Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.197,98
    +1.772,66 (+3,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

SP tem panelaços contra Bolsonaro em dia de marca histórica de mortes

·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  01-08-2019 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 01-08-2019 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Panelaços em protesto contra o presidente Jair Bolsonaro voltaram a acontecer em São Paulo na noite desta quarta-feira (3).

O dia foi marcado pela número histórico de 1.840 mortes por Covid registradas em 24 horas pelo país, o maior desde o início da pandemia. A gestão da crise sanitária é uma das principais críticas feitas ao governo e já motivou pedidos de impeachment.

Na capital paulista, houve esse tipo de protesto em bairros como Santa Cecília e Consolação (região central) e Pinheiros e Barra Funda (zona oeste).

Os panelaços, marcados pelas redes sociais, tinham sido articulados diante da possibilidade de o presidente se pronunciar em cadeia de rádio e TV nesta noite, o que acabou não acontecendo. Mesmo assim, foram mantidos.

Desde o começo da crise do coronavírus, há um ano, esse tipo de protesto contra o presidente se disseminou, principalmente em ocasiões em que ele fez pronunciamentos. Nos últimos meses, opositores também têm promovido carreatas em grandes cidades para pedir o afastamento de Bolsonaro.

O início do processo de impeachment depende do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), que se elegeu para o posto há um mês com o apoio de Bolsonaro.