Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.446,42
    +1.905,30 (+3,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

SP entrará na fase vermelha para reduzir circulação da Covid-19

Gustavo Schmitt
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO. A partir de sábado, o estado de São Paulo entrará na fase vermelha no plano contra a Covid-19. A medida aumentará as restrições de circulação e pretende reduzir a disseminação e ajudar a desafogar a rede de saúde, cuja ocupação dos leitos está próxima do esgotamento.

O anúncio deve ser feito em coletiva à imprensa na tarde desta quarta-feira pelo governador João Doria. A informação foi antecipada pelo colunista Lauro Jardim e confirmada pelo GLOBO junto a fontes do centro de contigência do governo estadual.

Desde a semana passada, o governo passou a endurecer as regras de circulação no estado e decretou o chamado toque de restrição, de 23h às 5h. O preocupação é com aumento do número de mortes no estado que bateu recorde nesta segunda-feira - foram 468 - e de casos notificados da doença.

A decisão de hoje foi tomada em reunião do governador com membros do comitê científico no início desta manhã.

Ainda assim, as aulas presenciais serão mantidas. O fechamento das escolas divide opiniões no governo. O secretário estadual de saúde Jean Gorinchteyn chegou a defender nesta segunda-feira uma nova suspensão das aulas. A declaração foi feita em entrevista à CBN. Horas depois, Gorinchteyn enviou nota à imprensa em que dizia que havia apenas manifestado uma opinião pessoal e que não se tratava de mudança na educação.

Ainda ontem, em reunião com prefeitos do estado, Gorinchteyn, afirmou que o vírus atual não é o mesmo do ano passado, numa referência ao surgimento de novas cepas da doença. Ele pregou medidas enérgicas para evitar o colapso da saúde.

— Estamos vivendo uma nova pandemia. Não podemos dizer que é a segunda onda. Estamos com outro vírus. Não é o mesmo vírus que tivemos no ano passado —, afirmou.