Mercado fechado

SP declara calamidade, fecha parques e suspende serviços não essenciais

Leila Souza Lima

Capital do Estado também construirá hospitais de campanha no Anhembi e no estádio do Pacaembu Iniciando seu discurso com uma saudação à China, o governador do Estado de São Paulo, João Doria, disse nesta sexta-feira que assinou decreto de estado de calamidade pública. O texto deve ser publicado amanhã no Diário Oficial. O prefeito Bruno Covas também decretou estado de calamidade pública no município de São Paulo.

“Não é justo que alguém faça acusação à China ou povo chinês”, disse, em referência à acusação feita pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) via Twitter que que o país asiático seria responsável pela pandemia de covid-19, causada pelo novo coronavírus.

Mulheres usam máscara na região do hospital em São Paulo

AP Foto / Andre Penner

Serviços públicos não essenciais do Estado de São Paulo ficarão suspensos a partir de segunda-feira até 30 de abril - Poupatempo e Detran-SP fecharão para atendimento presencial. Oficinas mecânicas estarão liberadas para funcionar.

Como parte dos esforços para combater o coronavírus, farmácias de rede venderão álcool em gel a preço de custo com limite de 2 frascos por pessoa no Estado.

O governador rebateu as críticas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro de que governadores estariam extrapolando suas responsabilidades ao anunciar medidas restritivas, como o fechamento de shoppings. Questionado por jornalistas, Doria disse que está fazendo "o que o presidente não faz: liderar o processo utilizando bases científicas."

São Paulo é a unidade da federação com o maior número de casos no país. São 286 confirmações e cinco óbitos por coronavírus até o momento, informou o secretário de Saúde, José Henrique Germann. Desse total de confirmados, 24 pacientes estão em UTI privadas, nenhum na rede pública.

O secretário informou ainda que a partir do dia 23, o Instituto Butantan terá capacidade de até mil testes por dia.

Cidade de São Paulo

Parques estaduais e municipais da capital paulista estarão fechados a partir de amanhã, conforme disse também o prefeito Bruno Covas na mesma entrevista coletiva. Covas disse que “isolamento social não é férias”, que não é momento para ir a parques ou festas. Serão fechados 107 parques públicos, de acordo com ele, porque foi percebido um aumento de frequência nos últimos dias. “Ficar em casa é humanitário”, disse.

Covas e Doria informaram que podem adotar medidas mais rigorosas contra igrejas que não suspenderem cultos como medida de conter a contaminação por coronavírus. O governador disse não estar determinando o fechamento de templos, apenas pedindo a suspensão dos eventos durante o período de surto de covid-19, causada pelo novo coronavírus. Os dois disseram confiar na responsabilidade dos líderes religiosos nesse momento.

O município contará com hospitais de campanha, um no Estádio do Pacaembu e outro no Anhembi, no total de 1.800 leitos de baixa complexidade, além de mais 490 de UTI, praticamente dobrando os 505 atuais.

.