Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.159,10
    -1.082,53 (-0,89%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.585,38
    -872,64 (-1,88%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,00
    +0,64 (+1,22%)
     
  • OURO

    1.839,50
    +9,60 (+0,52%)
     
  • BTC-USD

    36.671,22
    +229,48 (+0,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    723,65
    +8,46 (+1,18%)
     
  • S&P500

    3.802,33
    +34,08 (+0,90%)
     
  • DOW JONES

    30.969,39
    +155,13 (+0,50%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.642,28
    +779,51 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    28.633,46
    +391,25 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.987,25
    +185,00 (+1,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4839
    +0,0886 (+1,39%)
     

SP: adaptação ao ensino remoto em 2019 foi maior na rede privada

Camila Boehm - Repórter da Agência Brasil
·4 minuto de leitura

Levantamento feito em São Paulo, com dados de 2019, mostra que há prejuízo na situação dos alunos de escolas públicas em relação a computadores disponíveis nos domicílios do estado, na comparação com a de escolas privadas. Computadores de mesa existiam em 42% dos domicílios paulistas, sendo 62% nas residências de alunos da rede privada e 38% nas de estudantes de escolas públicas.

O resultado é do estudo SP TIC, da Fundação Seade, que analisa dados da pesquisa TIC Educação 2019, realizada pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br), ligado ao Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br). O objetivo é analisar a disponibilidade de equipamentos e a adoção das tecnologias de informação e comunicação (TIC) para práticas pedagógicas em escolas públicas e privadas urbanas paulistas.

O registro da presença de computadores portáteis segue a mesma tendência de oferta maior entre estudantes da rede privada (71%) em relação à rede pública (46%), o que deixava esses alunos em melhores condições de adaptação ao ensino remoto. Os equipamentos estão disponíveis para todos os residentes e não exclusivamente para os estudantes.

No estado de São Paulo, 88% dos estudantes foram classificados como usuários da internet - aqueles que fizeram uso da rede nos três meses que antecedem a entrevista -, sem distinção significativa entre alunos das redes de ensino pública (89%) ou privada (87%). No entanto, 10% dos estudantes não acessaram a rede mais de três meses antes do levantamento e 1% não utiliza internet.

Acesso à internet

O telefone celular foi o dispositivo mais utilizado para acessar a internet entre os estudantes, tanto na rede particular de ensino quanto na pública. No entanto, para cerca de metade dos estudantes - com os maiores percentuais entre alunos de particulares - houve opções como computadores portáteis ou de mesa, dispositivos que estão associados à realização de atividades pedagógicas mais interativas, como fazer lições e exercícios, produzir apresentações e participar de avaliações ou provas.

Os entrevistados da rede privada registraram maiores índices de acesso ao conjunto de dispositivos de acesso à internet, incluindo videogames, smart TVs e tablets.

No estado de São Paulo, 11% dos estudantes disseram que acessam a internet exclusivamente pelo telefone celular (cerca de 116 mil), patamar que se elevou para 13% entre os alunos da rede pública (cerca de 115 mil), situação incomum para aqueles de escolas privadas (1%).

Atividades na internet

O levantamento concluiu que o uso da internet para atividades didáticas, entretenimento, comunicação e acesso às redes sociais é usual entre os estudantes paulistas, independentemente da rede na qual o aluno está matriculado.

A prática de realizar pesquisa para trabalhos escolares, por curiosidade ou para aprender algo que não sabia, foi reportada por cerca de 90% dos estudantes usuários da rede de internet. Houve registro considerado significativo pela Seade da prática de ler ou assistir notícias na internet (80%).

Diante da realidade do ensino remoto, uma parcela pequena dos alunos (17%) relatou a participação de cursos pela internet e 28% disseram ter falado com o professor também pela internet. Os dados mostram ainda que 37% dos alunos afirmaram ter usado a internet para fazer provas ou simulados.

Acesso nas escolas

Em 2019, ano de referência do estudo, a totalidade das escolas urbanas paulistas contava com computadores e acesso à internet, incluindo as redes de ensino pública e privada. No entanto, há desvantagem na rede pública quanto ao número de alunos por computador para uso pedagógico. Em dois terços das escolas públicas, cada computador é compartilhado por mais de 20 estudantes. Já na rede privada, em dois terços das escolas, os equipamentos são proporcionalmente compartilhados por no máximo 20 alunos.

O acesso à internet sem fio no ambiente escolar, recurso que pode potencializar a adoção de dispositivos móveis para fins pedagógicos, foi ofertado em 82% das escolas públicas urbanas paulistas, enquanto estava em 100% das escolas privadas. As escolas públicas relataram acesso à internet mais frequente em laboratórios de informática, enquanto nas instituições privadas o uso é maior em salas de aula e bibliotecas. A despeito de estar presente nas escolas, o acesso à internet sem fio não era permitido aos estudantes na maioria dos estabelecimentos, independentemente da rede de ensino.

O contingente de escolas que adotaram ambientes virtuais de aprendizagem foi de 42% no ano de 2019 - que antecedeu à pandemia de covid-19. A diferença entre as redes foi significativa: 24% entre as escolas públicas e 77% entre as privadas. Conforme explicou a Fundação Seade, ambientes ou plataformas virtuais de aprendizagem são tecnologias aplicadas à implementação de práticas pedagógicas a distância, que abrangem desde os 100% online até modelos híbridos entre ensino presencial e remoto.