Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.274,67
    -63,99 (-0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Sony critica proposta da Microsoft sobre Call of Duty

O presidente da Sony Interactive Entertainment, Jim Ryan, chamou a oferta da Microsoft para manter Call of Duty nos consoles PlayStation “inadequada em vários níveis”. A oferta teria sido feita de forma privada entre as duas empresas, mas o executivo decidiu se manifestar contra publicamente.

No início de setembro, o chefe da divisão Xbox, Phil Spencer, disse que pretende continuar lançando os jogos da franquia no PlayStation “por mais alguns anos”, além do contrato de marketing já existente entre a Sony e a Activision. Ele disse ainda que a oferta “vai muito além dos acordos típicos da indústria de jogos”.

Próximo jogo da franquia será Call of Duty: Modern Warfare 2; lançamento está marcado para 28 de outubro, para PC, PlayStation e Xbox (Foto: Divulgação/Activision Blizzard)
Próximo jogo da franquia será Call of Duty: Modern Warfare 2; lançamento está marcado para 28 de outubro, para PC, PlayStation e Xbox (Foto: Divulgação/Activision Blizzard)

Porém, a Sony discordou dessa afirmação. Em comunicado ao GamesIndustry.biz, Ryan revelou mais detalhes dessa oferta: "A Microsoft ofereceu apenas que Call of Duty permanecesse no PlayStation por três anos após o término do atual acordo entre a Activision e a Sony”.

Ainda não se sabe quando o contato de marketing entre as duas empresas termina. Rumores apontam que seja em 2024. Isso significa que a Microsoft garantiu Call of Duty no PlayStation até 2027.

“Após quase 20 anos de Call of Duty no PlayStation, a proposta deles foi inadequada em vários níveis e não considerou o impacto nos nossos jogadores”, escreveu. “Nós queremos garantir que os jogadores de PlayStation continuem tendo a melhor experiência possível, e a proposta da Microsoft vai contra esse princípio”.

Ryan também deu uma cutucada na Microsoft, afirmando pretender manter a discussão nos bastidores. “Eu não pretendia comentar sobre o que entendi ser uma discussão de negócios privada, mas sinto a necessidade de esclarecer as coisas porque Phil Spencer trouxe isso para o fórum público”, rebateu.

Sony e Microsoft brigam em público por Call of Duty

PlayStaton e Xbox mantém briga de gigantes nos bastidores — e em público também (Foto: Reprodução/Montagem/Canaltech)
PlayStaton e Xbox mantém briga de gigantes nos bastidores — e em público também (Foto: Reprodução/Montagem/Canaltech)

As duas empresas têm trocado várias farpas nos últimos meses por causa de Call of Duty. Desde que a Activision foi comprada pela Microsoft (a aquisição ainda não foi finalizada e segue em análise por órgãos reguladores), a Sony afirma que a compra irá prejudicar seus negócios.

Em agosto, uma troca de e-mails com o CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) revelou que a japonesa acusa a Microsoft de querer monopolizar o mercado com o Game Pass. Já o outro lado disse que a Sony “se insurge contra a introdução de novos modelos de monetização capazes de desafiar seu modelo de negócios.”

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: