Mercado fechado

Sony abre divisão focada no desenvolvimento da inteligência artificial

Felipe Demartini

A Sony está expandindo suas operações para dar foco a projetos de inteligência artificial. É essa a proposta de uma nova divisão, anunciada pela companhia nesta semana, que vai explorar a aplicação dessa tecnologia nos diferentes produtos fabricados pela companhia, desde os vídeo games e smartphones até câmeras fotográficas, brinquedos e outros.

Uma das primeiras empreitadas da divisão, revelada apenas agora, mas já funcionando em caráter definitivo desde o ano passado, foi o retorno do Aibo. O famoso cachorro-robô da Sony foi relançado em 2018 com direito a tecnologias como reconhecimento facial e aprendizado, sendo capaz de reconhecer os donos e aprender novos truques de acordo com a própria experiência e, claro, uma bela ajudinha do processamento de inteligência artificial na nuvem.

A divisão, chamada apenas de Sony AI, será dirigida por Hiroaki Kitano, que até agora, atuava como presidente do Laboratório de Ciência da Computação da empresa. A indicação tem motivo: ele já era o responsável por muitos dos projetos da companhia em inteligência artificial e robótica. Agora, sua tarefa é observar o que está sendo feito não apenas em termos de pesquisa e desenvolvimento, mas também criar uma sinergia entre essa tecnologia e as outras áreas da Sony.

Hiroaki Kitano, que já liderava projetos de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias na Sony, será o líder da nova divisão de inteligência artificial da companhia (Imagem: Ken Kobayashi/Nikkei Asian Review)

De acordo com a empresa, três grandes projetos já estão em andamento, cada um pelas mãos de um dos três laboratórios globais da companhia, localizados nos Estados Unidos, Japão e Europa. A Sony confirmou apenas os setores em que as iniciativas estão sendo realizadas — vídeo games, fotografia e gastronomia — mas não revelou seu caráter exato, mas sim, exemplos gerais do que a IA pode fazer por tais segmentos, em situações que podem ou não indicarem o que ela está realizando especificamente.

No caso dos games, por exemplo, ela jogou na "bola segura", afirmando que o desenvolvimento de inteligência artificial tornará os games mais desafiadores, criativos e inteligentes por meio de seus personagens. Além disso, ela especula o uso da tecnologia para facilitar o desenvolvimento dos títulos. O resultado desse esforço, claro, deve dar as caras no PlayStation 5, que chega no final do ano que vem.

Já no campo da fotografia, a ideia óbvia são os sistemas de otimização que trabalham para ajustar automaticamente as configurações dos sensores para captação e processamento das imagens após serem produzidas. Além disso, a Sony pensa em componentes que também sirvam não apenas para tirar fotos, mas também analisar ambientes em tempo real para ações de vigilância, aprendizado ou mobilidade.

O setor mais inusitado é o da gastronomia, com uma ideia, também, fora da caixa. A ideia não é só a de criar robôs que façam comida, mas sim, utilizar a inteligência artificial para inspirar chefes e cozinheiros a criarem novas receitas de acordo com o clima, ambiente em que os pratos serão servidos, ingredientes disponíveis e as próprias habilidades. A ideia é aproximar a tecnologia de um campo onde ela ainda não é muito utilizada.

Os projetos, é claro, ainda estão em fase de desenvolvimento e não possuem nenhuma previsão de aplicação prática. Como dito, enquanto o PlayStation 5 deve chegar já no final do ano que vem mostrando pelo menos um pouco desse trabalho, fica a dúvida quanto ao restante, já que as ideias possuem diferentes níveis de complexidade e, sendo assim, podem demorar alguns anos para aparecerem ao grande público.


Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: