Mercado fechado

Sonho do Japão de 40 milhões de turistas pode acabar em 5 mi

Yuko Takeo

(Bloomberg) -- O Japão pode receber menos de 5 milhões de turistas em 2020, já que a meta do governo de receber 40 milhões de visitantes se choca com a realidade da pandemia de coronavírus, avalia o economista do SMBC Nikko Securities, Koya Miyamae, que alerta para um impacto econômico a longo prazo.

O número de turistas que visitaram o Japão despencou para 1,7 mil no mês passado, segundo dados da Organização Nacional de Turismo do Japão divulgados na quarta-feira. É o nível mais baixo desde 1964, pois a pandemia fechou as fronteiras do país. Desde janeiro, apenas 3,9 milhões de pessoas visitaram o Japão.

“É realmente difícil ver quando os visitantes voltarão”, disse Miyamae.

Como as restrições devem ser levantadas apenas para pessoas que viajam a negócios e estudantes, pode demorar muito até o retorno dos turistas, que representam 90% dos visitantes ao Japão e gastam mais durante o período no país, acrescentou.

É provável que a forte queda da renda obtida com turistas pese a longo prazo na economia japonesa, pois o país perde um dos poucos exemplos claros de sucesso da chamada Abenomics, a política econômica do primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe. Miyamae estima que a queda dos gastos turísticos pode reduzir o crescimento do segundo trimestre em cerca de 1,6 ponto percentual, o que seria apenas uma fração da queda anualizada de 22,4% esperada por analistas devido ao impacto do vírus.

Ainda assim, é provável que a pandemia tenha implicações de longo prazo para o setor de turismo, uma vez que as empresas precisam diminuir as expectativas de crescimento de visitantes e responder às necessidades de distanciamento social.

“É lamentável, mas o próprio setor será forçado a mudar. Não está realmente claro o quanto pode se recuperar. Algumas restrições podem ser flexibilizadas, mas é melhor supor que não haverá uma recuperação muito forte”, afirmou.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.