Mercado fechado

Sonhando com um 2023 digital

Há vários anos, o mundo das telecomunicações nos inunda com conceitos que tentam tornar acessível a compreensão dos benefícios oferecidos pela tecnologia. Tornou-se recorrente ouvir falar da exclusão digital, da acessibilidade, da Internet como direito humano ou de como a pandemia nos transportou para uma nova realidade digital. A mensagem implícita é de que o progresso continua apesar dos obstáculos que se quer considerar, obstáculos reais ou imaginários.

A tecnologia avança a passos largos. Embora os desconectados comecem a se beneficiar de um crescimento econômico prometido em números que não entendem, ainda se trata de um sonho. Muitos daqueles que precisariam usufruir dos benefícios digitais ainda precisam se focar na busca pelo arroz e feijão para alimentar seus filhos. Não se pode pedir uma pausa à fome que a pobreza impõe.

O difícil é como abordar um problema já definido. Os males que cercam cada um dos conceitos citados já são conhecidos. Não é novidade saber que já não se fala em exclusão digital limitada ao acesso a serviços de Internet. As lacunas digitais são agora reconhecidas onde aspectos tangíveis, como infraestrutura e dispositivos de acesso, são acompanhados por insumos intangíveis fornecidos por diferentes tipos de software.

Da mesma forma, é do conhecimento geral que a nova normalidade é um fenômeno urbano com amplos traços elitistas. Basta notar que se limita aos agregados familiares com recursos para pagar uma ligação à Internet de alta velocidade e com o dispositivo necessário para poder trabalhar a partir de casa. Mas isto não basta, mesmo que se verifiquem estes dois requisitos, apenas usufruem da nova normalidade aqueles indivíduos com um trabalho que lhes permita exercer as suas funções à distância. Aqueles participantes de um segmento da indústria de serviços que não precisam estar fisicamente presentes em um local específico. O restante da população leu e ouviu falar sobre esse novo normal, talvez pensando que fosse uma zombaria. Talvez se perguntando se aqueles que tanto falaram sobre o novo normal realmente estão tão desconectados da realidade.

Com esse cenário os dias, semanas e meses se passaram. Cada um sabendo quais eram os males que cercavam o mundo das TIC e das telecomunicações. No entanto, com muito pouco esforço para começar a implementar as soluções que foram propostas ano após ano para resolver esses males. A realidade é que, aparentemente, não há nenhuma figura disposta a quebrar o status quo para realmente aumentar a conectividade.

Não faltam desculpas

As desculpas para justificar esse descaso são muitas. Há quem defenda que o arcabouço legal é falho e deveria ser modernizado, pois enquanto não ocorrer essa modernização, pouco ou nada poderá ser feito para melhorar a adoção de serviços digitais. O fato de os sistemas de transferência de dinheiro com tecnologias 2G terem se popularizado em algumas localidades não é importante; o que é imperativo é mudar o quadro regulatório existente. Não tente melhorar gradativamente usando os poucos recursos disponíveis, é tudo ou nada.

Outros falam dos problemas que existem pela falta de comprometimento de algum outro ator do setor. É como uma história sem fim em que todos são culpados, mas ninguém assume. Essa troca de acusações foi feita para reviver as melhores mensagens dos anos 1980 ou 1970 que podem ser concebidas. Como promover a conectividade e implementar medidas voltadas para o benefício do consumidor faz parte de um plano maquiavélico germinado no Consenso de Washington, mesmo aqueles que consideram que a expansão da conectividade rural por meio de subsídios é um esquema esquerdista que busca métodos ineficientes para fazer uma distribuição assimétrica dos recursos estatais . Na hora de dar desculpas ou lavar as mãos, criatividade não falta.

O perigo é que toda essa dinâmica nos deixe encalhados no mesmo ponto de partida. Como fazer esse diálogo essencial entre governos, setor privado, sociedade civil e academia acontecer? Como chegar a um consenso quando há tanta desconfiança e ressentimento entre esses diferentes interlocutores? Como integrar as agendas de curto prazo que alguns tomadores de decisão de políticas públicas possam ter com as de médio e longo prazo que o setor privado ou o setor acadêmico possam ter? Como lembrar do ser humano em todas essas discussões?

Infelizmente, não há respostas satisfatórias para muitas dessas perguntas. Continuamos querendo uma cooperação que não se concretiza, ouvindo falar da 5G e da inteligência artificial, quando ainda não sabemos como usar as redes de telecomunicações para questões supostamente mundanas, mas extremamente importantes, como o analfabetismo, a inclusão linguística das comunidades indígenas e a redução de pobreza.

É muito bom falar sobre tecnologia e direitos humanos ou sobre as possibilidades e impactos da transformação digital. No entanto, sempre que estas questões forem discutidas, espero que os especialistas não se esqueçam de que o objetivo de todas estas decisões e estratégias é beneficiar o ser humano. Talvez seja necessária uma abordagem digital mais antropocêntrica e menos tecnocêntrica. Talvez seja assim que consigamos que as nações da América Latina tenham uma agenda digital nacional (DNA).

Um DNA que fala em ampliar a cobertura da rede, democratizar os serviços por meio de plataformas de governo eletrônico e melhorar a qualidade de vida dos cidadãos mais pobres e vulneráveis ​​por meio de iniciativas de educação, saúde e geração de empregos apoiadas pela tecnologia. Se pelo menos um desses desejos for realizado em 2023, já estaremos melhores do que vivemos em 2022.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: