Mercado abrirá em 6 h 49 min
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,70
    +2,21 (+2,78%)
     
  • OURO

    1.676,40
    +4,40 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    19.278,64
    -61,94 (-0,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,00
    -5,43 (-1,22%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.072,57
    -150,26 (-0,87%)
     
  • NIKKEI

    26.178,44
    +241,23 (+0,93%)
     
  • NASDAQ

    11.016,25
    -19,25 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3114
    +0,0035 (+0,07%)
     

Sonda Parker Solar se aproxima do Sol mais uma vez

Nesta terça-feira (6), a sonda Parker Solar, da NASA, se aproximou do Sol pela 13º vez, ficando a apenas 8,5 milhões de quilômetros do nosso astro. A passagem aconteceu às 03h04 (horário de Brasília) e, embora o Sol esteja mostrando bastante atividade nos últimos tempos, a sonda ainda não encontrou nenhuma erupção solar ou tempestade geomagnética — mas isso poderá mudar no mês que vem.

A aproximação começou na última quinta-feira (1º), e a nave encontrou um ambiente solar bem diferente. Nour Raouafi, cientista de projeto da Parker Solar, destacou que o Sol mudou completamente desde o lançamento da missão, em 2018 — naquela época, nossa estrela estava no mínimo solar, a etapa de menor atividade de seu ciclo. “Quando o Sol muda, ele também muda o ambiente ao redor dele; a atividade neste momento foi maior que esperávamos”, disse.

A Parker Solar Probe iniciou seu 13º encontro solar no dia 1º de setembro (Imagem: Reprodução/NASA/Johns Hopkins APL)
A Parker Solar Probe iniciou seu 13º encontro solar no dia 1º de setembro (Imagem: Reprodução/NASA/Johns Hopkins APL)

Atividade do Sol segue aumentando

A equipe da missão acredita que a atividade solar continuará aumentando. Por isso, é possível que a sonda atravesse algum evento solar durante aproximações futuras. “Ninguém nunca voou através de um evento solar tão perto do Sol”, observou Raouafi. “Os dados seriam totalmente novos, e definitivamente vamos aprender muito com eles”. Conforme o Sol segue para o máximo solar, previsto para 2025, a atividade do astro deverá aumentar.

Felizmente, a Parker ainda tem mais 11 aproximações do Sol em sua missão — e os cientistas esperam que algumas delas coincidam com eventos solares futuros, que devem acontecer com maior frequência. “Enquanto o Sol estava calmo, conseguimos três anos de ótima ciência”, disse Raouafi. “Mas nossa visão do vento solar e da coroa será totalmente diferente agora, e estamos muito curiosos para saber o que aparenderemos”, acrescentou ele.

Vale lembrar que a Parker Solar não estuda o Sol sozinha: os cientistas da missão coordenaram momentos de observação com a missão Solar Orbiter, que observa o Sol do mesmo ângulo da Parker, mas a uma distância maior. “Quando a Parker e a Solar Orbiter observam o Sol a diferentes distâncias, poderemos estudar a evolução do vento solar, coletando dados conforme ele passa por uma nave e depois pela outra”, finalizou.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: