Mercado abrirá em 2 h 15 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,00
    +0,62 (+0,98%)
     
  • OURO

    1.768,80
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    55.986,08
    -1.025,09 (-1,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.264,34
    -34,62 (-2,66%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    6.938,85
    -61,23 (-0,87%)
     
  • HANG SENG

    29.135,73
    +29,58 (+0,10%)
     
  • NIKKEI

    29.100,38
    -584,99 (-1,97%)
     
  • NASDAQ

    13.847,50
    -49,75 (-0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6836
    +0,0079 (+0,12%)
     

Sonda OSIRIS-REx faz último sobrevoo no asteroide Bennu e voltará para a Terra

Danielle Cassita
·2 minuto de leitura

Foi em 20 de outubro do ano passado que a sonda OSIRIS-REx, da NASA, tocou a superfície do asteroide Bennu para coletar amostras, que serão trazidas para a Terra em alguns anos. A equipe da missão ainda vai precisar de alguns dias para saber como a superfície do asteroide foi alterada durante a coleta e, enquanto isso, informações da agência espacial norte-americana confirmam que a espaçonave finalizou seu último sobrevoo em torno do asteroide, e já está se afastando dele.

O sobrevoo final foi adicionado no documento das mudanças da superfície causadas pela manobra Touch and Go (TAG), realizada para a coleta de amostras: “ao estudar a distribuição de material escavado em torno do local da TAG, vamos saber mais sobre os materiais de superfície e subsuperfície, além das propriedades mecânicas do asteroide”, disse o Dr. Dante Lauretta, investigador principal da missão. Durante a manobra, a sonda coletou aproximadamente 60 g de amostra da superfície do asteroide.

As amostras do asteroide deverão trazer pistas para os cientistas sobre a formação do Sistema Solar (Imagem: Reprodução/NASA/Goddard/University of Arizona)
As amostras do asteroide deverão trazer pistas para os cientistas sobre a formação do Sistema Solar (Imagem: Reprodução/NASA/Goddard/University of Arizona)

Já em abril de 2021, a sonda realizou outra aproximação para mapeá-lo em alta resolução. Neste sobrevoo, a OSIRIS-REx passou quase seis horas produzindo imagens do Bennu durante uma rotação completa a apenas 3,5 km de distância, que é o mais perto que chegou dele desde a coleta das amostras. Agora, os dados e imagens deverão ser enviados por volta do dia 13 de abril, com apoio da rede internacional de antenas Deep Space Network, que é compartilhada com outras missões.

Mike Moreau, vice-gerente de projeto da missão, conta que foram coletados cerca de 4 mil megabytes de dados: “teremos uma taxa de download de 412 kilobits por segundo, de modo que vai levar alguns dias até recebermos todos os dados do sobrevoo”, explicou. Depois, quando as imagens e dados dos instrumentos da sonda forem recebidos, a equipe vai verificar como foi o pouso da OSIRIS-REx na superfície do asteroide. Ali, o instrumento de coleta de amostras afundou 48 cm na superfície do Bennu, e liberou um jato de nitrogênio para levantar poeira.

A sonda deverá ficar nos arredores do asteroide até 10 de maio, quando irá ativar seus propulsores para iniciar a viagem de volta à Terra. A viagem deverá durar dois anos e as amostras devem chegar por aqui no final de 2023.

Como a espaçonave ainda estará em boas condições para seguir ativa, a NASA está verificando a possibilidade de enviá-la para o asteroide Apophis antes disso. Se essa missão secundária for confirmada, a sonda deverá chegar por lá em 2029, que é também quando o objeto deverá passar pertinho da Terra. Isso proporciona uma boa oportunidade para observar se a visita poderá afetar a estrutura do Apophis.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: