Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.632,94
    -1.775,52 (-4,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Sonda Juno vai sobrevoar a lua Ganimedes, de Júpiter, em breve

·2 minuto de leitura

A sonda Juno, da NASA, foi lançada em 2011 para explorar Júpiter, e segue na órbita da gigante gasoso desde 2016. E, em breve, a sonda deverá se aproximar da maior lua do sistema joviano: na próxima segunda-feira (7), a Juno irá sobrevoar Ganimedes a apenas 1.038 km de sua superfície — este será o sobrevoo mais próximo do satélite natural realizado, sendo que o último foi feito pela sonda Galileo, em 20 de maio de 2000.

Ganimedes é o maior satélite natural do Sistema Solar, e esta é a única lua em nossa vizinhança que tem uma magnetosfera (ou seja, uma espécie de bolha formada por partículas carregadas) própria. Então, ao sobrevoá-la, a Juno coletará dados da composição, camada de gelo que a cobre e de sua magnetosfera: “a Juno leva um conjunto de instrumentos sensíveis, capazes de ver Ganimedes como nunca vimos antes", disse Scott Bolton, principal investigador da missão.

Para isso, os instrumentos Ultraviolet Spectrograph (UVS) e Jovian Infrared Auroral Mapper (JIRAM) irão atuar em conjunto, para que o Microwave Radiometer’s (MWR) consiga penetrar através da crosta congelada que envolve Ganimedes, obtendo dados sobre sua composição e temperatura. Depois, os dados obtidos serão aproveitados pela próxima geração de missões rumo ao sistema joviano.

Bolton explica que a camada de gelo que envolve a lua tem regiões mais claras e mais escuras, o que sugere que algumas podem ser de gelo puro, enquanto outras podem ser “gelo sujo”: “o MWR fornecerá a primeira investigação profunda de como a composição e a estrutura do gelo variam de acordo com a profundidade, proporcionando um entendimento melhor de como a camada se forma e dos processos que a alteram o longo do tempo", comentou.

Os resultados obtidos serão um complemento importante para a futura missão JUICE, da Agência Espacial Europeia, que irá investigar a ocorrência de oceanos subterrâneos nas luas Ganimedes, Calisto e Europa. Ao passar por trás da lua, os sinais de rádios vão atravessar sua ionosfera, o que causará uma pequena mudança na frequência deles. “Se pudermos medir essa mudança, talvez consigamos entender a conexão entre a ionosfera e o campo magnético de Ganimedes com a magnetosfera de Júpiter”, finaliza Dustin Buccino, engenheiro de análise de sinal da missão.

Aliás, o instrumento imageador JunoCam foi criado especialmente para levar a beleza da exploração de Júpiter ao público. Então, durante o rápido sobrevoo, o instrumento “verá” a transformação da lua, que se parecerá com um pequeno ponto de luz até se tornar um disco, para depois voltar se parecer com o ponto luminoso. Tudo isso deverá durar cerca de 25 minutos, tempo suficiente para produzir cinco imagens, que vão ajudar a equipe de ciência da missão a descobrir se houve mudanças na superfície de Ganimedes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: