Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,35
    +0,45 (+0,69%)
     
  • OURO

    1.833,80
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    58.134,16
    -510,96 (-0,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,29 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,85 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,42 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.737,25
    +27,50 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3677
    +0,0026 (+0,04%)
     

Sonda InSight tem acúmulo de poeira e entrará em modo de hibernação

Wyllian Torres
·2 minuto de leitura

A sonda InSight, da NASA, pousou em Marte em 2018 para estudar a atividade sísmica do planeta. De lá para cá, o lander enfrentou muitas tempestades de poeira — o que é bem comum no Planeta Vermelho. O problema é que os painéis solares, responsáveis por recarregar a sua bateria, estão cada vez mais cobertos de pó marciano. Com isso, a agência decidiu desligar gradualmente as ferramentas da sonda e colocá-la em modo de hibernação para poupar energia.

Normalmente, as fortes rajadas de vento que percorrem a superfície marciana são as responsáveis por remover o acúmulo de poeira dos painéis solares. A InSight atualmente está localizada na região vulcânica Elysium Planitia e, nas últimas semanas, a sonda não tem recebido nem uma brisa sequer. Com isso, a poeira bloqueia os raios solares dos painéis e, consequentemente, interrompe o fornecimento de energia.

O deck e alguns instrumentos científicos da InSight (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)
O deck e alguns instrumentos científicos da InSight (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)

A equipe responsável pela InSight, pretende colocar a sonda em modo de hibernação completo no próximo mês. O objetivo é poupar a energia restante para que a sonda consiga se manter operacional até o próximo verão marciano, quando o planeta recebe uma maior quantidade de luz solar — aumentando as chances de os painéis solares produzirem energia.

No entanto, com a ausência de energia, a sonda não conseguirá se manter aquecida e muitos de seus instrumentos podem se danificar com as baixas temperaturas das noites do planeta — que atingem cerca de 90 ºC negativos. O receio da equipe é que peças fundamentais sofram avarias permanentes, comprometendo o funcionamento da sonda. Até o final desta semana, a equipe pretende realizar algumas manobras, como pulsar os motores da sonda, para tentar remover a poeira acumulada.

Uma selfie da sonda InSIght em 2018 (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)
Uma selfie da sonda InSIght em 2018 (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)

O principal investigador da sonda, Bruce Banerdt do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL), acredita que ela sobreviverá ao inverno marciano de um jeito ou de outro e que ao se aproximar do verão ela retornará como um “sonda zumbi”. "A equipe InSight montou um plano forte para navegar com segurança durante o inverno e emergir do outro lado, pronta para completar nossa missão científica estendida até 2022”, disse Banerdt. No entanto, o maior receio da equipe é de que a sonda seja atingida por uma nova tempestade de poeira antes deste período.

Atualmente, os níveis de energia parecem fortes o bastante para enfrentar o inverno. O que resta, por enquanto, é torcer pela sobrevivência da missão e aguardar por novas informações.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: