Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.884,47
    +326,80 (+0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.937,36
    +19,08 (+0,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,59
    +0,54 (+0,75%)
     
  • OURO

    1.786,20
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    50.512,66
    -641,94 (-1,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.316,65
    +11,53 (+0,88%)
     
  • S&P500

    4.693,00
    +6,25 (+0,13%)
     
  • DOW JONES

    35.683,63
    -35,80 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    +405,02 (+1,42%)
     
  • NASDAQ

    16.321,50
    +3,50 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2863
    -0,0534 (-0,84%)
     

Sonda da NASA quase colidiu com sonda indiana na órbita da Lua

·2 min de leitura

A sonda Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO), da NASA, por pouco não se chocou com a sonda Chandrayaan-2, da agência espacial indiana ISRO, ambas na órbita da Lua. A ISRO comunicou ter sido necessário ajustar a órbita de sua sonda para evitar uma aproximação perigosa com a LRO, o que aconteceria no dia 20 de outubro.

Segundo a ISRO, a aproximação entre os dois orbitadores iria ocorrer perto da região do polo norte lunar. Análises realizadas pela agência espacial indiana, em parceria com a NASA, mostraram que a separação radial entre ambas as naves seria de menos de 100 m — e, durante a maior aproximação, elas estariam a apenas 3 km de distância entre si. Por isso, em função dos riscos, as duas instituições concordaram em conduzir uma manobra de desvio.

Aumento na separação entre as sondas após a execução da manobra (Imagem: Reprodução/ISRO)
Aumento na separação entre as sondas após a execução da manobra (Imagem: Reprodução/ISRO)

A missão Chandrayaan-2 foi lançada em 2019, sendo a segunda missão de exploração lunar desenvolvida pela ISRO. Já a LRO foi lançada pela NASA em 2009 com o objetivo de "caçar" água na superfície da Lua, mapeando também a superfície do nosso satélite natural com dados de alta definição.

Assim como acontece com a sonda indiana, a LRO orbita a Lua em uma órbita quase polar e, periodicamente, ambas se aproximam quando passam pelos polos lunares. Apesar de ser comum vermos manobras do tipo sendo realizadas com os satélites na órbita terrestre para evitar colisões, a ISRO afirma que esta foi a primeira vez em que uma conjunção tão crítica aconteceu em uma missão de exploração espacial do país.

O procedimento foi programado para acontecer no dia 18, para garantir uma separação radial grande o suficiente no caso de uma possível próxima conjunção entre as duas naves. Tudo correu bem na realização da manobra, e os dados resultantes mostraram que não haveria novas conjunções próximas com a LRO em um futuro próximo. “Em nenhum momento a Lunar Reconnaissance Orbiter ou o Chandrayaan-2 estiveram em perigo”, afirmou Nancy Jones, representante da NASA no Goddard Space Flight Center.

Ela destacou também a importância da colaboração entre agências espaciais para evitar novos incidentes do tipo. “Essa coordenação entre as agências espaciais é uma parte da garantia da segurança das operações dos satélites ao redor da Lua”, explicou. Além disso, a ISRO ressaltou a necessidade do monitoramento de situações de aproximações perigosas em missões lunares e marcianas — e este evento foi um exemplo prático da necessidade de monitorar todos os objetos artificiais no espaço para evitar consequências piores.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos