Mercado abrirá em 3 h 23 min

Sonda da NASA não consegue encontrar nave indiana na superfície da Lua

Daniele Cavalcante

A sonda Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO), da NASA, sobrevoou o local de pouso do módulo indiano Vikram na última terça-feira (17) para investigar o que teria acontecido com o o lander da missão Chandrayaan-2. Mas, infelizmente, a tentativa de localizar o módulo falhou, e as esperanças de encontrar o equipamento com alguma funcionalidade ativa diminuem a cada dia que passa.

Conforme planejado, o LRO fotografou o local de alunissagem do módulo de pouso, no polo sul da Lua. No entanto, a Lua está na transição para o início da noite lunar, de duas semanas de duração, e isso fez com que sombras compridas fossem projetadas na área. Isso acabou atrapalhando a tarefa, talvez escondendo o Vikram dos sensores da nave norte-americana.

Mark Robinson, pesquisador principal do LRO, lembra que “de acordo com a política da NASA, todos os dados do LRO estão disponíveis ao público, e a NASA compartilhará qualquer imagem antes e depois da passagem da área ao redor do local de pouso do lander Vikram para ajudar a análise da ISRO".

Tentativa de pouso do Vikram

(Imagem: ISRO)

Em 6 de setembro, o módulo de pouso Vikram da missão Chandrayaan-2 tentou realizar a alunissagem próximo ao polo sul da Lua, quando os operadores da missão indiana perderam o contato com a nave. O Vikram estava a apenas 2,1 quilômetros de distância superfície lunar quando ficou em silêncio, e assim permanece desde então.

Embora o orbitador da Chandrayaan-2 já tenha avistado o Vikram de cima, e os operadores da missão continuem tentando restabelecer a comunicação, ainda não é possível determinar o que realmente aconteceu com o equipamento.

Graças à sonda orbital, que está funcional, a missão Chandrayaan-2 ainda está ativa. A sonda usa oito instrumentos para mapear a superfície lunar em detalhes, avaliar os aglomerados de gelo, entre outras tarefas, e continuará esse trabalho por pelo menos mais sete anos, de acordo com as autoridades da ISRO.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: