Mercado fechará em 3 h 28 min
  • BOVESPA

    113.595,06
    -112,70 (-0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.409,27
    -324,77 (-0,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,86
    +1,75 (+1,99%)
     
  • OURO

    1.770,40
    -6,30 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    23.372,54
    -10,78 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    557,51
    -0,22 (-0,04%)
     
  • S&P500

    4.271,81
    -2,23 (-0,05%)
     
  • DOW JONES

    33.882,67
    -97,65 (-0,29%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.516,75
    +23,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2542
    -0,0050 (-0,10%)
     

Sonda da NASA encontra "poços" com temperaturas amenas na Lua

Quem vê imagens de astronautas na superfície da Lua pode não perceber o quanto a superfície lunar é inóspita. Durante o dia a temperatura ao Sol pode chegar a 120 ºC, e despencar para - 173 ºC à noite. Mas uma equipe de cientistas apoiados pela NASA analisou dados da sonda Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO) e modelos computacionais e encontrou locais de grande interesse para a exploração futura, onde a temperatura é estável e muito mais amena.

Os “poços lunares” foram descobertos em 2009 e, desde então, os cientistas vêm investigando se eles levam a cavernas que possam ser exploradas ou usadas como abrigo, protegendo astronautas da radiação e de meteoritos. “Cerca de 16 dos mais de 200 poços são, provavelmente, tubos de lava colapsados”, disse Tyler Horvath, autor principal do novo estudo.

Cratera em Mare Tranquilitatis, em foto da LRO (Imagem: Reprodução/NASA/Goddard/Arizona State University)
Cratera em Mare Tranquilitatis, em foto da LRO (Imagem: Reprodução/NASA/Goddard/Arizona State University)

Os tubos de lava são formados quando lava derretida corre sob alguma estrutura de lava resfriada, ou quando uma crosta se forma sobre rios de lava, formando um túnel longo e oco; quando a parte superior da estrutura colapsa, ela dá origem a uma abertura (o poço), que pode dar acesso ao restante do tubo.

Para o estudo, Horvath processou dados da câmera térmica Diviner Lunar Radiometer Experiment, a bordo da LRO, com o objetivo de descobrir se a temperatura no interior dos poços tinha diferença em relação à da superfície. Ele e seus colegas trabalharam com uma depressão cilíndrica de 100 m de profundidade na região de Mare Tranquilitatis, na Lua. Mesma região que foi visitada na primeira missão tripulada ao nosso satélite, a Apollo 11.

Depois, a equipe usou modelos computacionais para analisar as propriedades térmicas das rochas e poeira lunar, avaliando as variações de temperatura do poço ao longo do tempo. No fim, eles descobriram que a temperatura das regiões do poço em sombras permanentes sofre pequenas variações ao longo do dia, mas se mantém em aproximadamente 17 ºC. É uma temperatura que dá pra encarar só com um "casaquinho". Entretanto, trajes ainda seriam necessários devido à falta de atmosfera e pressão na superfície lunar.

Isso sugere que, se alguma caverna se estender a partir do fundo do poço lunar (como parece ser o caso, com base nas fotos da câmera da LRO), ela teria essa temperatura. Para a equipe, a estrutura na sombra é responsável pela temperatura estável, limitando o aquecimento durante os dias lunares e a perda de calor durante as noites.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Geophysical Research Letters.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos