Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,91
    -0,37 (-0,60%)
     
  • OURO

    1.707,30
    -8,50 (-0,50%)
     
  • BTC-USD

    50.681,56
    +2.700,99 (+5,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.014,06
    +25,96 (+2,63%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.623,00
    -58,75 (-0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7716
    -0,0905 (-1,32%)
     

Sonda da NASA deve sobrevoar asteroide uma última vez antes de voltar à Terra

Daniele Cavalcante
·2 minuto de leitura

A sonda OSIRIS-REx está se preparando para deixar o asteroide Bennu, trazendo consigo cerca de 60 gramas de amostras da rocha espacial — talvez um pouco mais, até. A nave robótica já concluiu com louvor todas as tarefas necessárias para completar essa parte missão, mas a NASA está planejando um novo sobrevoo pelo asteroide, antes de iniciar a viagem de volta para a Terra.

De acordo com a NASA, a manobra para deixar o asteroide acontecerá no dia 10 de maio. Nessa data, o posicionamento da Terra e do Bennu estarão adequados para que a jornada seja realizada com o menor consumo possível de combustível. Por outro lado, a manobra será a maior desde a chegada da OSIRIS-REx ao asteroide, ou seja, uma boa quantidade de propulsão será necessária.

Isso não deve ser um problema tão grande, já que a NASA pretende enviar a nave para uma segunda missão, depois que ela arremessar a cápsula de amostras na atmosfera terrestre, o que deverá acontecer no dia 4 de setembro de 2023. O sobrevoo final por Bennu não fazia parte do cronograma original da missão, mas a equipe está estudando se a sonda está em condições boas o suficiente para essa observação de despedida do asteroide.

Um último e inesperado sobrevoo será útil para conferir algumas coisas. Por exemplo, a NASA quer saber como o contato da sonda com a superfície do Bennu alterou o local onde as amostras foram coletadas. Além disso, será uma boa chance para conferir se todos os instrumentos estão bons o suficiente para que a segunda missão seja realizada em segurança — em especial componentes como o Camera Suite (OCAMS), o espectrômetro Thermal Emission Spectrometer (OTES) e o Laser Altimeter (OLA).

Se as condições para o sobrevoo estiverem favoráveis, a sonda vai observar do alto o local de onde retirou as amostras no início de abril. Em seguida, iniciará o sobrevoo, semelhante a uma das sequências de observação conduzidas pela NASA durante a fase em que a OSIRIS-REx fez uma pesquisa detalhada do Bennu, em 2019. Isso significa que a sonda deve capturar imagens de uma rotação completa do asteroide, para registrar fotos mais atuais e de alta resolução dos hemisférios norte e sul e da região equatorial do objeto. Essas imagens então serão comparadas com as de 2019.

Depois do sobrevoo — se ele de fato ocorrer —, a sonda permanecerá por perto de Bennu, aguardando o dia de iniciar a jornada de volta à Terra. Quando se aproximar do nosso planeta, ela arremessará a cápsula Sample Return Capsule (SRC), que entrará na atmosfera terrestre e pousará de paraquedas no Utah Test and Training Range, uma área militar de testes e treinamentos nos Estados Unidos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: