Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.259,49
    -831,51 (-0,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.579,10
    -329,10 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,60
    -0,55 (-0,76%)
     
  • OURO

    1.818,60
    -42,80 (-2,30%)
     
  • BTC-USD

    38.725,88
    -1.074,59 (-2,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    960,20
    -32,27 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.223,70
    -22,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.033,67
    -265,63 (-0,77%)
     
  • FTSE

    7.184,95
    +12,47 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    28.436,84
    -201,66 (-0,70%)
     
  • NIKKEI

    28.990,70
    -300,31 (-1,03%)
     
  • NASDAQ

    13.865,00
    -116,25 (-0,83%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0731
    +0,0111 (+0,18%)
     

Sonda chinesa envia imagens inéditas da Lua alinhada com a Terra

·2 minuto de leitura
Sonda chinesa envia imagens inéditas da Lua alinhada com a Terra
Sonda chinesa envia imagens inéditas da Lua alinhada com a Terra

Cerca de seis meses após retornar à Terra, a espaçonave chinesa Chang’e 5 segue fornecendo informações inéditas sobre o nosso satélite natural. Em dezembro passado, a sonda entregou uma capsula de retorno com em torno de 2kg de material lunar, o que significou a primeira ação do tipo em muitos anos.

Logo depois da entrega, o módulo orbital se dirigiu a um ponto no espaço conhecido como Lagrange Sol-Terra. Esse local fica a cerca de 1,5 milhão de quilômetros de distância da Terra na direção do Sol. A partir desta área, em torno de uma órbita gravitacionalmente equilibrada, a espaçonave enviou uma imagem inédita da Terra e da Lua juntas.

Missão Chang’e 5 enviou imagens inéditas da Terra e da Lua alinhadas partindo de Lagrange Sol-Terra. Crédito: CNSA
Missão Chang’e 5 enviou imagens inéditas da Terra e da Lua alinhadas partindo de Lagrange Sol-Terra. Crédito: CNSA

No momento, a Chang’e 5 está realizando uma série de testes relacionados a aspectos como controle de órbita e observação da Terra, do Sol e de outros pontos do chamado espaço profundo. Esses estudos devem auxiliar na realização e maior nível de eficiência de futuras missões espaciais.

Leia mais:

Essa operação é um dos trabalhos adicionais da missão, que é considerada pelas autoridades chinesas como uma missão extremamente bem-sucedida. Apesar de não ter câmeras otimizadas para uma observação detalhada do espaço profundo, a Chang’e 5 poderá dar alguma perspectiva sobre esses pontos do universo próximo.

Além da sonda chinesa, o Observatório do Clima no Espaço Profundo (DSCOVR, na sigla em inglês), da Nasa, está trabalhando na mesma região do espaço. A observatório americano tem aproveitado pontos que permitem vistas desimpedidas do nosso planeta para conduzir estudos detalhados sobre o clima da Terra.

A China no espaço

A China tem se colocado como um player importante no mercado da exploração espacial. Em janeiro de 2019, os asiáticos pousaram o rover Yotu-2 no chamado lado oculto da Lua. Essa é uma área não visível do satélite e até aquele momento, inexplorado por conta da impossibilidade do estabelecimento de uma comunicação direta com a Terra.

Mais recentemente, na última sexta-feira (14), a missão Tianwen-1 conseguiu pousar o rover Zhurong com sucesso na superfície de Marte. Com o feito, os asiáticos se tornaram a terceira nação a pousar no planeta vermelho, após a extinta União Soviética, com a sua Mars 3, de 1971 e os Estados Unidos, com a Viking 2, de 1976.

Com informações do Space.com

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos