Mercado fechado

Solto, Lula deve 'furar a bolha' da esquerda em encontro com político

Lula já comunicou a intenção de se encontrar com Maia, mas ainda não há data marcada. (Foto: AP Photo/Leo Correa)

Solto, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já sabe quem será o primeiro político fora do espectro da esquerda com quem quer dialogar: o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM).

A intenção do encontro partiu de Lula e foi comunicada a Maia por meio do deputado federal José Guimarães (PT-CE). Foi ele quem intermediou o contato e lançou a ideia a Maia, que teria aceitado. As informações são do jornalista Lauro Jardim, publicadas em sua coluna no Jornal O Globo.

Leia também

Apesar do “sim” do presidente da Casa, ainda não há uma data marcada para o encontro.

Após 580 dias preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, Lula foi solto no início de novembro, beneficiado por um novo entendimento do STF (Supremo Tribunal Federal) segundo o qual a prisão de condenados somente deve ocorrer após o fim de todos os recursos.

Desde que saiu, só se encontrou com políticos de esquerda, majoritariamente do PT, como a presidente nacional da legenda, Gleisi Hoffmann, e o ex-presidenciável pelo partido nas eleições de 2018, Fernando Haddad.

O petista, porém, segue enquadrado na Lei da Ficha Limpa, impedido de disputar eleições, justamente pela condenação no caso tríplex.

Lula permaneceu preso de 7 abril de 2018 a 08 de novembro de 2019 em uma cela especial da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba. O local tinha 15 metros quadrados, com banheiro, e ficava isolado no último andar do prédio. Ele não teve contato com outros presos, que ficavam na carceragem, no primeiro andar.

Leia mais sobre o julgamento sobre prisões em 2ª instância no STF

Lula foi condenado em primeira, segunda e terceira instâncias sob a acusação de aceitar reformas e a propriedade de um tríplex, em Guarujá, como propina paga pela empreiteira OAS em troca de contrato com a Petrobras, o que ele sempre negou. 

A pena do ex-presidente foi definida pelo Superior Tribunal de Justiça em 8 anos, 10 meses e 20 dias, mas o caso ainda tem recursos pendentes nessa instância e, depois, pode ser remetido para o STF. 

Nessa condenação, Lula já havia atingido em setembro a marca de um sexto de cumprimento da pena imposta pelo STJ. Por isso, mesmo antes da recente decisão do Supremo, ele já reunia condições para deixar o regime fechado de prisão.

Nas próxima semanas, porém, o Supremo pode anular todo esse processo do tríplex, sob o argumento de que o juiz responsável pela condenação, o hoje ministro Sergio Moro, não tinha a imparcialidade necessária para julgar o petista. Não há data marcada para que esse pedido da defesa do ex-presidente seja analisado.

Além do caso tríplex, Lula foi condenado em primeira instância a 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção e lavagem no caso do sítio de Atibaia (SP). O ex-presidente ainda é réu em outros processos na Justiça Federal em São Paulo, Curitiba e Brasília. Com exceção de um dos casos, relativo à Odebrecht no Paraná, as demais ações não têm perspectiva de serem sentenciadas em breve.