Mercado fechará em 5 h 57 min
  • BOVESPA

    112.401,31
    +2.151,59 (+1,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.144,48
    +316,35 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,85
    +1,36 (+1,93%)
     
  • OURO

    1.775,80
    -2,40 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    42.436,66
    -681,89 (-1,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.058,84
    +18,36 (+1,76%)
     
  • S&P500

    4.388,14
    +33,95 (+0,78%)
     
  • DOW JONES

    34.253,12
    +333,28 (+0,98%)
     
  • FTSE

    7.079,67
    +98,69 (+1,41%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.048,00
    +24,00 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2014
    +0,0223 (+0,36%)
     

"Sol artificial" na Alemanha atinge 30 milhões de graus Kelvin

·2 minuto de leitura

Os reatores de fusão nuclear estão um pouco mais perto de atingir o objetivo de fornecer mais energia do que a quantidade gasta para mantê-los funcionando. Essa tecnologia, baseada nos mesmos processos que ocorrem no interior das estrelas, promete energia limpa e quase infinita, mas antes é preciso atingir algumas metas. Uma delas acaba de ser alcançada pelo stellarator Wendelstein 7-X, na Alemanha.

Para produzir energia de fusão nuclear, os reatores precisam de altas temperaturas, além da densidade certa de plasma e tempo de confinamento ideal. O primeiro requisito já foi alcançado, tanto pelos reatores do tipo stellarator, quanto pelos tokamaks — que, aliás, são os recordistas de temperatura.

Entretanto, manter esse calor confinado no reator é um grande desafio. No caso dos stellarators, a complexidade da configuração de ímãs, mapeados por inteligência artificial, gera algo conhecido como transporte neoclássico. Trata-se de um vazamento de calor devido ao espalhamento do plasma para fora do reator. Embora tokamaks também sofram esse efeito, eles o experimentam em menor grau.

Wendelstein 7-X (Bernhard Ludewig/Instituto Max Planck de Física do Plasma)
Wendelstein 7-X (Bernhard Ludewig/Instituto Max Planck de Física do Plasma)

Contudo, de acordo com um novo artigo publicado na Nature, o stellarator Wendelstein 7-X agora consegue não apenas atingir duas vezes a temperatura do núcleo do Sol, como também é capaz de conter calor. Ou seja, os físicos reduziram o efeito do transporte neoclássico e levaram a tecnologia estelar para mais perto de se tornar prática.

Segundo as leituras do espectrômetro X-ray imaging crystal spectrometer (XICS) e as medições de espectroscopia de recombinação de troca de carga (CXRS), o "sol artificial" alemão atingiu quase 30 milhões de Kelvin. Isso só seria possível, de acordo com a equipe, se houvesse uma redução significativa do transporte neoclássico.

Os resultados são animadores, mas ainda é cedo para comemorar. Os cientistas ainda precisam trabalhar para que os reatores gerem mais energia do que consomem para funcionar, por exemplo. Considerando que a tecnologia estelar é estudada em todo o mundo, parece uma questão de tempo até que finalmente tenhamos a energia nuclear mais segura possível.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos