Mercado abrirá em 5 h 59 min
  • BOVESPA

    111.289,18
    +1.085,18 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.037,05
    -67,35 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,56
    -0,79 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.812,20
    -17,50 (-0,96%)
     
  • BTC-USD

    36.005,84
    -1.684,87 (-4,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    819,80
    -36,01 (-4,21%)
     
  • S&P500

    4.349,93
    -6,52 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.168,09
    -129,61 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.469,78
    +98,32 (+1,33%)
     
  • HANG SENG

    23.686,51
    -603,39 (-2,48%)
     
  • NIKKEI

    26.170,31
    -841,02 (-3,11%)
     
  • NASDAQ

    13.926,50
    -232,00 (-1,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0937
    -0,0127 (-0,21%)
     

"Sol artificial" da China quebra mais um recorde mundial

·2 min de leitura

O reator de fusão nuclear da China acaba de estabelecer um novo recorde mundial de confinamento de plasma. De acordo com o comunicado do Instituto de Física de Plasma da Academia Chinesa de Ciências, o reator conseguiu manter a temperatura de 120 milhões de graus Celsius durante 1.056 segundos.

Esse resultado é muito superior ao recorde chinês estabelecido há apenas sete meses, quando o tokamak manteve essa temperatura durante 101 segundos. Também foi a quebra do recorde mundial de 2003, quando a França conseguiu confinar o plasma por 390 segundos.

Reatores de fusão nuclear

A fusão nuclear é o processo que mantém estrelas “acesas” durante milhões ou bilhões de anos. Nosso Sol, por exemplo, funde quatro átomos de hidrogênio para formar átomos de hélio há mais de 4 bilhões de anos. Como o hélio é mais leve que o hidrogênio usado para criá-lo, a massa perdida durante a fusão é transformada em calor.

Para isso funcionar, as estrelas precisam de duas coisas: alta pressão e alta temperatura. Combinados, esses fatores são o suficiente para esmagar os átomos de hidrogênio, e é nesse modelo que os cientistas se basearam para criar os reatores de fusão nuclear aqui na Terra.

(Imagem: Reprodução/Wikimeia Commons)
(Imagem: Reprodução/Wikimeia Commons)

O ASIPP utiliza um tipo de reator chamado tokamak, que consiste em um dispositivo na forma de um toro (o famoso formato de rosquinha). Além de aquecer a temperaturas equivalentes à do Sol, o tokamak precisa controlar e conter o plasma sem que ele se espalhe pelo interior do toro.

Para controlar e evitar a perda do calor, o tokamak conta com eletromagnetismo. Para manter tudo isso funcionando, é necessário usar muita energia — mais do que a energia gerada pela fusão nuclear. Por isso, os cientistas trabalham para que a energia resultante supere a energia consumida pelo reator.

A temperatura atingida pelo tokamak chinês, o Tokomak Supercondutor Avançado Experimental (EAST), supera o calor de uma estrela pequena — o núcleo do Sol, por exemplo, tem 15 milhões de graus Celsius. Esse calor extra no tokamak compensa a pressão inferior à de uma estrela.

O objetivo final é criar fusão nuclear usando deutério, um isótopo do hidrogênio abundante no mar, para fornecer um fluxo constante de energia limpa. Esse elemento é quase ilimitado na Terra, por isso os cientistas consideram a fusão como uma forma de produção de energia definitiva e ideal — e segura — para o futuro da humanidade.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos