Mercado fechará em 5 h 15 min
  • BOVESPA

    120.545,14
    +483,15 (+0,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.934,06
    +66,44 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,92
    -0,43 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.785,90
    -7,20 (-0,40%)
     
  • BTC-USD

    54.578,71
    -1.026,45 (-1,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.276,07
    +33,01 (+2,66%)
     
  • S&P500

    4.171,06
    -2,36 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    34.042,22
    -95,09 (-0,28%)
     
  • FTSE

    6.921,73
    +26,44 (+0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.927,25
    +8,00 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5928
    -0,1092 (-1,63%)
     

Soja do Brasil avançará a 40 mi ha em 21/22 e milho a 20 mi ha, diz adido do USDA

Roberto Samora
·3 minuto de leitura

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - Os produtores de soja do Brasil expandirão a área plantada para 40 milhões de hectares em 2021/22, temporada cujo plantio começa em setembro, versus 38,5 milhões de hectares semeados no ciclo anterior, cuja colheita está caminhando para a reta final, estimou o adido do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA, na sigla em inglês).

Com isso, ele avalia que a produção na próxima safra poderá atingir nova máxima histórica de 141 milhões de toneladas, versus 134 milhões projetados para o ciclo atual.

"A expansão da soja está baseada nas atuais condições e tendências do mercado --incluindo forte demanda, preços altos e uma taxa de câmbio favorável. Todas essas condições devem persistir até a safra 2021/22", disse o adido, em relatório publicado na noite de terça-feira.

Dessa forma, ele projeta as exportações da oleaginosa brasileira em recorde nesta temporada de 85 milhões de toneladas. Para 2021/22, os embarques estão estimados em uma nova máxima histórica de 87 milhões de toneladas.

O Brasil, líder na exportação e produção de soja que responde por mais de um terço da oleaginosa colhida no mundo, poderia ter um aumento no plantio que superaria a taxa anual de crescimento de área plantada de 3% vista nas últimas cinco temporadas.

De acordo com os cálculos, o aumento de área plantada acumulado nas últimas cinco safras do Brasil é de quase 14%, ou 4,7 milhões de hectares.

Contatos do adido em Mato Grosso sugerem que a área plantada no principal Estado produtor deverá crescer 3% na próxima temporada.

Segundo o adido, além de boas condições de mercado pelos preços e câmbio, com a forte demanda da China e da Europa, o Brasil tem reduzido custos com a logística, dando maior competitividade para a safra brasileira, o que ajuda a explicar a projeção de um crescimento do plantio acima da linha de tendência.

Ele citou as melhorias na BR-163, que permitem um escoamento a menores custos pelo porto fluvial de Miritituba (PA) e posteriormente para a exportação pelo Norte do país. Tais avanços na infraestrutura reduziram em quase 25% o custo do transporte de soja de Mato Grosso até portos de Santarém (PA) entre 2019 e 2020, com base em dados do USDA.

MILHO

Na esteira do aumento da soja, a produção de milho também deverá crescer de 105 milhões de toneladas em 2020/21 --após problemas climáticos na atual temporada-- para 114 milhões de toneladas em 2021/22.

O adido também prevê que a área de milho vai se expandir em 500 mil hectares de um ano para outro, para um total de 20 milhões de hectares em 21/22, uma vez que os preços devem permanecer altos pelo menos até o final de 2021, considerando a forte demanda.

"Como tem acontecido neste ano, produtores brasileiros devem ser incentivados a expandir o plantio de milho em 2021/22, principalmente no Centro-Oeste", disse ele.

"Considerando a tendência de produtividade, o Brasil poderia quebrar facilmente seu recorde de produção de milho", disse ele, pontuando que isso também dependerá do clima para o desenvolvimento da segunda safra.

O adido estima que a área plantada de algodão no Brasil de 2021/22 no Brasil vai se recuperar para 1,6 milhão de hectares, com uma expansão de 11% ante a temporada atual, mas ficará abaixo do recorde de 1,67 milhão de 2019/20.

Segundo ele, os produtores no Brasil aumentarão a área plantada anualmente com base na recuperação econômica global e numa melhora da demanda por algodão, à medida que o mundo tenta se recuperar da pandemia de coronavírus.

Preços globais fortes e câmbio vão motivar produtores plantar algodão, "até porque o setor já tem os equipamentos necessários para colheita de até 3 milhões de toneladas de algodão, conforme evidenciado pela safra 2019/20", disse o adido.

O recorde no plantio não deverá ser alcançado em 2021/22 porque o custo subiu e outras culturas como soja e milho estão com bons retornos, acrescentou ele.