Mercado fechará em 1 h 45 min
  • BOVESPA

    125.458,15
    +846,12 (+0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.154,26
    +243,73 (+0,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,37
    +0,72 (+1,00%)
     
  • OURO

    1.794,00
    -5,80 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    39.349,95
    +1.797,11 (+4,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,42
    -5,51 (-0,59%)
     
  • S&P500

    4.403,41
    +1,95 (+0,04%)
     
  • DOW JONES

    34.955,90
    -102,62 (-0,29%)
     
  • FTSE

    7.016,63
    +20,55 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    14.984,50
    +36,75 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0959
    -0,0125 (-0,20%)
     

Software de empresa israelense espionou jornalistas e ativistas, segundo investigadores

·2 minuto de leitura
Os investigadores afirmam que foi usado uma campanha sofisticada de espionagem para atacar ativistas, jornalistas e outras pessoas

Um programa de espionagem informático desenvolvido por um grupo israelense foi usado contra políticos, dissidentes, jornalistas, acadêmicos e ativistas de direitos humanos em vários países, informou nesta quinta-feira (15) um grupo de especialistas.

"A Candiru é uma empresa discreta com sede em Israel que vende software de espionagem exclusivamente a governos", e seu programa é usado para "infectar e monitorar iPhones, Androids Macs, PCs e contas na nuvem", explicou a Citizem Lab da Universidade de Toronto em seu blog.

Os investigadores da Microsoft e a Citizen Lab garantem que poderosas "armas cibernéticas" foram usadas em ataques contra mais de 100 vítimas em todo o mundo.

"Encontramos muitos domínios que se faziam passar por organizações ativistas como a Anistia Internacional, o movimento Black Lives Matter, assim como empresas de comunicação e outras entidades com temática da sociedade civil", explicou a Citizen Lab.

A Microsoft identificou pelo menos 100 vítimas nos territórios palestinos, Israel, Irã, Líbano, Iêmen, Espanha, Reino Unido, Turquia, Armênia e Singapura.

A gigante americana disse que, graças às atualizações do software do Windows, conseguiu bloquear esta semana a vulnerabilidade explorada pela empresa com sede em Tel Aviv, cujo nome oficial é Saito Tech Ltd, mas é mais conhecida como Candiru ou Sourgum.

"A Microsoft criou proteções em seus produtos contra este malware (programa malicioso) único, que batizamos de DevilsTongue", disse em comunicado a empresa.

"Compartilhamos estas proteções com a comunidade de segurança para que possamos abordar e mitigar coletivamente esta ameaça", completou.

Segundo a Microsoft, o DevilsTongue foi capaz de se infiltrar em sites populares como Facebook, Twitter, Gmail, Yahoo, entre outros, para compilar informações, ler mensagens das vítimas e recuperar fotos.

"O DevilsTongue também pode enviar mensagens em nome da vítima em alguns destes sites", afirmou o comunicado do Centro de Inteligência de Ameaças da Microsoft.

"A capacidade de enviar mensagens poderia se tornar uma arma para enviar links maliciosos a mais vítimas", explicou.

O programa também pode capturar o histórico de navegação e senhas das vítimas, assim como ligar a câmara ou o microfone de um computador, de acordo com as análises.

Segundo o Citizen Lab, a empresa Saito Tech Ltd tem alguns dos mesmos investidores e diretores que o NSO Group, outra empresa israelense sob escrutínio por uso de software de vigilância.

rl/sw/yo/gm/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos