Mercado fechado

Sofrimento psicológico pode aumentar risco de demência

O sofrimento psicológico pode aumentar o risco de demência. A informação vem de um estudo finlandês publicado no periódico JAMA Network Open, no último mês de dezembro. Para chegar a isso, um grupo de cientistas analisou cerca de 68 mil pessoas, acompanhando a situação de 1972 a 2007.

Dentre esses 68 mil, 7.935 casos de demência foram identificados. A partir disso, os pesquisadores buscaram entender a associação entre estresse, humor depressivo e exaustão e o risco de ser diagnosticado com a condição. A equipe concluiu que esses fatores podem elevar as chances em 24%.

Estudos anteriores já chegaram a apontar que a ansiedade na meia idade pode ser sinal de demência, uma vez que acarreta prejuízos na cognição objetiva, especificamente no que diz respeito a atenção e memória. A pesquisa também revela que pacientes com sintomas de depressão e ansiedade relataram maior preocupação com sua própria memória e com seus pensamentos, o que pode estar relacionado ao desenvolvimento da doença.

No entanto, essa relação não se aplica apenas ao público idoso: anteriormente, uma pesquisa revelou que a saúde mental dos jovens pode indicar risco de Alzheimer no futuro. Com isso, a prevenção e o tratamento de transtornos mentais em jovens podem reduzir o risco de demência quando ficarem mais velhos.

Sofrimento psicológico pode aumentar o risco de demência (Imagem: bialasiewicz/envato)
Sofrimento psicológico pode aumentar o risco de demência (Imagem: bialasiewicz/envato)

Segundo o artigo finlandês, a angústia psicológica foi associada a um risco 20% maior para o quadro de demência. Um aumento de 17% foi associado à exaustão e 24% ao estresse excessivo. Os pesquisadores alertam que, quanto pior o quadro depressivo, maior o risco de desenvolver demência.

Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), a demência pode ser definida como o declínio geral das habilidades mentais, como memória, linguagem e raciocínio que persiste por toda a vida e pode interferir com as atividades normais da pessoa e seus relacionamentos.

Os pacientes ficam confusos, incapazes de lembrar as coisas ou perder habilidades. Podem, inclusive, não reconhecer familiares ou amigos e podem apresentar comportamento agitado. Os principais sinais e sintomas de demência são a perda gradual e progressiva da memória, alucinações, perda do reconhecimento de locais familiares e incapacidade de realizar as atividades habituais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: